Epífitos vasculares do refúgio de vida silvestre Banhado dos Pachecos

Josy Zarur de MATOS, Rosana Farias SINGER, Rosana Moreno SENNA, Ricardo Aranha RAMOS, Andréia Maranhão CARNEIRO

Resumo


Este trabalho visa conhecer a riqueza de epífitos vasculares do Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos. Utilizando o método de Caminhamento adaptado foram inventariadas duas áreas com formações distintas: mata paludosa e mata de restinga. As plantas observadas foram fotografadas e identificadas. No total foram encontradas 35 espécies pertencentes a 20 gêneros e seis famílias. A família Orchidaceae foi a mais diversa, com 13 espécies, seguida por Bromeliaceae, com nove espécies, Cactaceae e Polypodiaceae com quatro, Piperaceae com três e Dryopteridaceae com duas. A mata de restinga apresentou maior número de espécies (26), enquanto que na mata paludosa foram encontradas 22. O levantamento florístico apontou um considerável número de espécies epifíticas o que demonstra a importância ambiental do RVS Banhado dos Pachecos para a manutenção dos ecossistemas que contemplam a sinúsia epifítica. 

Palavras-chave


epífitos vasculares, restinga, paludosa

Texto completo:

PDF

Referências


BENZING, D. H. Vascular epiphytes. General biology and related biota. Cambridge University Press, Cambridge. 376 p., 1990.

BENZING, D. H.. Bromeliaceae: profile of an adaptative radiation. Cambridge University Press, Cambridge. 690 p., 2000.

BORGO, M.; SILVA, S.M. & PETEAN, M.P. Epífitos vasculares em um remanescente de floresta estacional semidecidual, município de Fênix, PR, Brasil. Acta Biologica Leopoldensia 24:121-130, 2002.

CESTARI, C. Epiphyte plants use by birds in Brazil. Oecologia Brasiliensis 13, 689-712, 2009.

FILGUEIRAS, T. S.; BROCHADO, A. L.; NOGUEIRA, P.E.; GUALA II, G. F. Caminhamento – um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências v.2, n.4, p.39–43, 1994.

HIETZ-SEIFERT, U., HIETZ, P. & GUEVARA, S. Epiphyte vegetation and diversity on remnant trees after forest clearance in southern Veracruz, Mexico. Biological Conservation 75(2): 103-111, 1996.

KERSTEN, R.A. & SILVA, S.M. Composição florística e estrutura do componente epifítico vascular em floresta da planície litorânea na Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 24:213-226, 2001.

KERSTEN, R.A. & SILVA, S.M.. Florística e estrutura do componente epifítico vascular em Floresta Ombrófila Mista Aluvial do rio Barigüi, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 5:259-267, 2002.

KRÖMER, T. K., M. GRADSTEIN, S. Vertical stratification of vascular epiphytes in submontane and montane forest of the Bolivian Andes: the importance of the understory. Plant Ecology 189(2): 261-278, 2007. 5

LAURANCE, W. F. et. al. Averting biodiversity collapse in tropical forest protected areas. Nature 489, 290-294, 2012.

NIEDER, J., J. PROSPERÍ, et al. Epiphytes and their contribution to canopy diversity. Plant Ecology 153(1): 51-63, 2001.

SAZIMA, I., BUZATO, S. & SAZIMA, M. An assemblage of hummingbird-pollinated flowers in a montane forest in southeastern Brazil. Botanica Acta 109, 149-160, 1996.

SAZIMA, M., BUZATO, S. & SAZIMA, I. Bat-pollinated Flower Assemblages and Bat Visitors at Two Atlantic Forest Sites in Brazil. Annals of Botany 83, 705-712, 1999.

VARASSIN, I. G. & SAZIMA, M. Recursos de Bromeliaceae utilizados por beija-flores na Mata Atlântica no sudeste do Brasil. Bol. Mus. Biol. Mello Leitão 11/12, 57-70, 2000.

VELOSO, H. P. O Problema ecológico vegetação - Bromeliáceas-Anofelinos. Anais Botânicos 4, 187-229, 1952.




DOI: http://dx.doi.org/10.21674/2448-0479.34.798-806

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.