Eco Educadores: os agentes de transformação da realidade socioambiental da comunidade

Patrícia Antunes RUSSO, John WÜRDIG, Guilherme MENEZES, Douglas CIECIELSKI

Resumo


  

A Educação Ambiental abre caminho para um novo pensar em educação, e é fundamentalmente na universidade que se pode proporcionar um novo olhar para os conflitos ecológicos, sociais e culturais produzidos e vivenciados pela sociedade contemporânea. Assim, o projeto procurou desencadear um movimento significativo para a comunidade do entorno do Centro Universitário Ritter dos Reis/UniRitter – Zona Sul, através de quatro enfoques principais, que visaram desenvolver atividades voltadas para: a) a questão do reconhecimento da universidade como lugar onde se produz conhecimento tanto para a comunidade acadêmica, quanto para a comunidade ao seu entorno; b) formação e instrumentalização de estudantes da rede pública do entorno através de momentos de partilha de conhecimento técnico, experiências práticas e produtivas; e c) a importância da sua atuação como agente de mudança ambiental na sociedade em que está inserido e o quanto sua atuação pode influenciar na qualidade de vida de todos da comunidade. Desta forma, o este projeto visou atuar na formação de ECO EDUCADORES, que tem como desafio tornarem-se multiplicadores dos temas socioambientais, trabalhados nas oficinas de formação, assim contribuindo positivamente para uma mudança do cenário ambiental de sua comunidade.

 

Texto completo:

PDF

Referências


ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. 2016. Institucional. Disponível em: . Acesso em: 12 de dez. de 2016.

AGENDA 21 GLOBAL. Declaração do Rio de Janeiro. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente. Rio de Janeiro, RJ, 1992.

BORJA, Patrícia C.; MORAES, Luiz R. S. O acesso às ações e serviços de saneamento básico como um direito social. In: XII SILUBESA – Simpósio Luso Brasileiro de Engenharia Sanitária, 12., 2006, Figueira da Foz. Artigo. Figueira da Foz: Abes, 2006. p. 1 - 13. Disponível em: . Acesso em: 4 jan. 2017.

BORJA, P. C. & MORAES, L. R. S., 2005. O Saneamento como um direito social. In: IX Exposição de Experiências Municipais em Saneamento – 35ª Assembléia Nacional da Assemae. Belo Horizonte: Assemae. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2016.

BRAGA, Benedito et al. Introdução à Engenharia Ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 315 p.

BRASIL, 2015, GEO Brasil – Recursos Hídricos: Resumo Executivo. Ministério Do Meio Ambiente; Agência Nacional De Águas; Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Brasília: MMA; ANA, 60 p.: il. (GEO Brasil Série Temática : GEO Brasil Recursos Hídricos)

BRASIL. Decreto nº 7.217, de 21 de junho de 2010. Regulamenta a Lei n° 11.445, de 5 de Janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o Saneamento Básico, e dá outras providências. Brasília, DF, Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2016.

BRITTO, A. L. N. P., 2004. Gestão de Serviços de Saneamento em Áreas Metropolitanas: as alternativas existentes diante da necessidade de universalização dos serviços e preservação da qualidade ambiental. In: Anais II Encontro Anual da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade. Indaiatuba, São Paulo. Disponível em: . Acesso em 15 dez. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.21674/2448-0479.34.753-763

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.