Avaliação da composição de espécies de macrófitas aquáticas em ecossistemas lênticos perenes do Parque das Dunas, Salvador – BA

Esthalin Moreira da Silva de SOUZA, Laís Cardoso de Santana MOREIRA

Resumo


  

Os ecossistemas aquáticos continentais representam um sistema ainda pouco conhecido e bastante ameaçado pela ação do homem, principalmente as regiões litorâneas que sofrem com a especulação imobiliária, turística e industrial. As macrófitas aquáticas são essenciais ao equilíbrio do ambiente aquático, pois sustentam um grande número de organismos e respondem bem a diferentes gradientes ambientais que são formados lateralmente e ao longo do manancial. Tendo em vista que a depleção da qualidade da água dos recursos hídricos, principalmente em ecossistemas lênticos do litoral norte do estado da Bahia, está aumentando drasticamente devido às ações antrópicas. O presente trabalho busca avaliar a composição de espécies de macrófitas aquáticas em ecossistemas lênticos do Parque das Dunas, o último manancial urbano do ecossistema de dunas, lagoas e restingas do Brasil. O levantamento florístico e coleta de amostras de água foram realizados em todas as lagoas perenes do parque entre os meses de novembro e dezembro de 2015. Foram realizadas 5 visitas ao parque, com 8 horas diárias, totalizando 40 horas de atividades de campo. No inventário florístico foram registradas 40 espécies, distribuídas em 35 gêneros e 24 famílias, bem como a análise de parâmetros físico-químicos. Esses resultados são dados importantíssimos que ajudarão subsidiar ações de planejamento ambiental e manejo das macrófitas aquáticas do parque, e em regiões alagadas do ecossistema de restinga. 

 

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. A. A. et al. Composição e distribuição de macrófitas aquáticas na lagoa da Restinga do Massiambu, Área de Proteção Ambiental Entorno Costeiro, SC. Rodriguésia 62(4): 785-801. 2011.


ARAÚJO, M. A. M. et al. Composição e Riqueza de Espécies de Poaceae Determinada pela Inundação Sazonal na Savana de Roraima, Norte da Amazônia Brasileira. In. Livro de Resumos do III Simpósio CENBAM e PPBio Amazônia Ocidental. Manaus – AM, 2015.

AZEVEDO, N.H.; et al. Ecologia na restinga: uma sequência didática argumentativa. 1oed. São Paulo: Edição dos autores, Janeiro de 2014. 140p.

BOVE, C. P. et al. Hidrófitas Fanerogâmicas de Ecossistemas Aquáticos Temporários da Planície Costeira do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta bot. bras. 17(1): 119-135. 2003.


CERVI, A.C. et al. Macrófitas aquáticas do Município de General Carneiro, Paraná, Brasil. Biota Neotrop. 2009, 9(3): 215-222.

CONAMA - CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO No 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005. Publicada no DOU no 053, de 18/03/2005, págs. 58-63.

CUNHA-SANTINO, M. B. da & BIANCHINI JR., I. Colonização de macrófitas aquáticas em ambientes lênticos. Universidade Federal de São Carlos. Departamento Hidrobiologia. São Paulo, 2011.


ESTEVES, F.A. Fundamentos da Limnologia. Org. 1a Ed. Rio de janeiro: Editora Interciência/ FINEP, 1998, 602p.

______. Fundamentos da Limnologia. Org. 3a Ed. Rio de janeiro: Editora Interciência, 2011, 184p.

FERMINO, S.F. et al. Seasonal influence of nitrogen and phosphorus enrichment on the floristic composition of the algal periphytic community in a shallow tropical, mesotrophic reservoir (São Paulo, Brazil). Oecologia Australis. 2011. 15: 476-493. 2011, 84p.


FERREIRA, F.A. et al. Estrutura da comunidade de macrófitas aquáticas em três lagoas do Parque Estadual do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea 37(1): 43-52, 1 tab., 6 fig., 2010.


INEMA - INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS -. APA Lagoas e Dunas do Abaeté. Disponível em: Acesso em: 04 de dezembro de 2015.

JUNK, W.J. et al. Definição e Classificação das Áreas Úmidas (AUs) Brasileiras: Base Científica para uma Nova Política de Proteção e Manejo Sustentável. Instituto Nacional de Ciências e Tecnologia em Áreas Úmidas. Centro de Pesquisa do Pantanal. Mato Grosso, 2014.


LACET, J. B. Macrófitas Aquáticas do Balneário das Águas Minerais – Santa Rita, PB. Trabalho de Conclusão de Curso_TCC (Graduação em Bacharel em Ciências Biológicas). Universidade Estadual da Paraíba. João Pessoa – PB, 2014.

LOPES, A. et al. Herbáceas Aquáticas em Seis Igapós na Amazônia Central: Composição e Diversidade de Gêneros. Rev. Geogr. Acadêmica v.8, n.1; vii. 2014.

MAUHS. J. et al. Riqueza e biomassa de macrófitas aquáticas em uma área úmida na planície costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisa Botânica, São Leopoldo, Instituto Anchietano de Pesquisas. no 57, p.289-302, 2006.

MENEZES, C. M.; A vegetação de restinga no Litoral Norte da Bahia, influência da evolução quaternária da zona costeira: Estudo de caso fazenda riacho das flores, Mata de São João, Bahia. Salvador: UFBA, 2007. 96p. Dissertação (Mestrado em Geologia). Programa de Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

______ et al. Florística e Fitossociologia do componente arbóreo do município de Conde, Bahia, Brasil. REVISTA BIOCIÊNCIAS, UNITAU. Volume 15, número 1, 2009.


MESTRE, A. B. Contribuição para o Estudo de Propagação e Produção de Plantas Aquáticas. Dissertação (Mestrado em Arquitectura Paisagista). Universidade de Lisboa. Lisboa, 2014.

PAZ, J. & BOVE, C. P. Hidrófitas Vasculares da Lagoa de Carapebus, Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 495-497, jul. 2007.


POLLOCK, M.M. et al. Plant species richness in riparian Wetlands - A test of biodiversity theory. Ecology 79(1): 94-105. 1998.

POMPÊO, M. L. M. & MOSCHINI-CARLOS, V. Macrófitas aquáticas e perifíton: Aspectos Ecológicos e Metodológicos. São Paulo: Rima, 2003. 10p.


POTT, V.J. & POTT, A. Plantas aquáticas do Pantanal. Brasília: Embrapa, 2000. 404 p. ______. Macrófitas Aquáticas do Pantanal e de outras áreas úmidas em Mato Grosso do Sul. Heringeriana Brasília. V.6. no1, p. 72-75, Agosto de 2012.

PRATA, A. P. Anatomia do escapo e rizoma de espécies brasileiras de Bulbostylis Kunth (Cyperaceae). Revista Brasil. Bot., V.30, n.2, p.245-256, abr.-jun. 2007.


RODRIGUES, M. E. F. Levantamento florístico e distribuição de macrófitas aquáticas na Represa Guarapiranga, São Paulo, Brasil. Dissertação (Mestrado em Botânica). Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

SANTOS, E. et al. O Caminho das Águas em Salvador: Bacias Hidrográficas, Bairros e Fontes. Centro Interdisciplinar de Desenvolvimento e Gestão Social -CIAGS/UFBA; Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA. Salvador, 2010.


TINÔCO, M. S. et al. Habitat change and amphibian conservation in the Atlantic Forest of Bahia, Brazil. Froglog Newsletter of the IUCN/SSC Amphibian Specialist Group, 2008.

TUNDISI, J. G. Novas perspectivas para gestão de recursos hídricos. Revista USP, São Paulo, n.70, p. 24-35, junho/agosto 2006.

TUNDISI, J.G.; MATSUMURA-TUNDISI, T. Limnologia, São Paulo: Oficina de Textos, 2008, 632 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.21674/2448-0479.34.807-820

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.