Políticas econômicas anticíclicas e seus efeitos regionais e setoriais utilizando um modelo de equilíbrio geral computável inter-regional

  • Marivia de Aguiar NUNES Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: política econômica, política tributária, economia regional

Resumo

Nesta pesquisa, estimaram-se os efeitos de uma política de redução de tributos indiretos. Para tanto, a opção foi pela realização de um exercício, avaliando os efeitos de medidas de incentivo ao consumo implementado pelo governo federal em 2008/2009 em ações anticíclicas. A avaliação utilizou o modelo de Equilíbrio Geral Computável (EGC) adaptado à economia brasileira, o TERM-BR (The Enormous Regional Model). Os resultados apontam para um sucesso relativo das medidas em produzirem resultados positivos na economia brasileira, ainda que sob grande heterogeneidade regional.

Biografia do Autor

Marivia de Aguiar NUNES, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Economia (PUCRS), analista do Banrisul e professora do Centro Universitário FADERGS.

Referências

ADELMAN, I.; ROBINSON, S. Income Distribution Policy in Developing Countries. California: Stanford University Press, 1978.

ARAÚJO, C.; FERREIRA, P. C. Reforma Tributária, Efeitos Alocativos e Impactos de Bem-Estar. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.53, n.2, 1999.

AUERBACH, A.; KOTLIKOFF, L. Dynamic Fiscal Policy. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

BURFISHER, M. E. Introduction to Computable General Equilibrium Models. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

CORONEL, D. A. et al. Impactos da Política de desenvolvimento produtivo na economia brasileira: Uma Análise de Equilíbrio Geral Computável. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 41, n. 2, p. 337-365, Rio de Janeiro, agosto de 2011.

FACHINELLO, A. L. Avaliação do impacto econômico de possíveis surtos de gripe aviária no Brasil: uma análise de equilíbrio geral computável. Tese. (Doutorado) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz – Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2008.

FOCHEZATTO, A.; SOUZA, N. J. Estabilização e Reformas Estruturais no Brasil após o Plano Real: uma Análise de Equilíbrio Geral Computável. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 30, n. 3, p. 395-426, Rio de Janeiro, dezembro de 2000.

FOCHEZATTO, A. Construção de um Modelo de Equilíbrio Geral Computável Regional: aplicação ao Rio Grande do Sul. Texto para Discussão nº 944. Brasília: IPEA, 2003.

FOCHEZATTO, A. Modelos de Equilíbrio Geral Aplicados na Análise de Políticas Fiscais: uma Revisão da Literatura. Análise, v. 16, n. 01, p. 113-136, Porto Alegre, jan/jul, 2005.

FOCHEZATTO, A.; BAGOLIN, I. P. Crescimento Distributivo no Brasil: Simulando Impactos de Políticas Fiscais com um Modelo Multissetorial. Análise Econômica, ano 30, n. 57, p. 107-130, Porto Alegre, março de 2012.

FULLERTON, D. On the Possibility of an Inverse Relationship between Tax Rates and Government Revenues. Journal of Public Economics, v.19, p.3-22, 1982.

FULLERTON, D.; ROGERS, D. L. Who Bears the Lifetime Tax Burden? Washington: Brookings Institution, 1993.

HORRIDGE, M.; MADDEN, J.; WITTWER, G. The impact of the 2002-2003 drought on Australia. Journal of Policy Modelling, v. 27, n. 3, p. 85-308, New York, apr. 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Contas Regionais do Brasil 2004-2008. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasregionais/2008/default.shtm>. Acesso em 13 de maio de 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Matriz de insumoproduto: Brasil 2000/2005. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/matrizinsumo_produto/default.shtm>. Acesso em 7 de mar. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009/default.shtm>. Acesso em 20 de jun. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema de Contas Nacionais - Brasil 2004-2008. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasnacionais/2008/default.shtm>. Acesso em 7 de mar. 2014.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DO EMPREGO. Dados e Estatísticas – Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/rais/estatisticas.htm>. Acesso em 12 de abr. 2014.

MORAES, G. I. Efeitos econômicos de cenários de mudança climática na agricultura brasileira: um exercício a partir de um modelo de equilíbrio geral computável. Tese (Doutorado) Pós-Graduação em Economia - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2010.

MOREIRA, A. R.; URANI, A. Um modelo multissetorial de consistência para a Região Nordeste. Texto para discussão nº 352. Rio de Janeiro: IPEA, 1994.

NUNES, M. A. Taxonomia Pavitt: uma aplicação ao setor externo do Brasil e do Rio Grande do Sul no período de 1996 a 2009. Monografia (Graduação) Curso de Ciências Econômicas - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

ORNELAS, E. Tributação no Setor de Construção Civil: Instrumento de Distribuição de Renda? Revista Brasileira de Economia de Empresas, Brasília, Universidade Católica de Brasília, v. 5, n. 2, p. 7-19, 2005.

PAES, N. Reforma Tributária: Os Efeitos Macroeconômicos e Setoriais da PEC 233/2008. Estudos Econômicos, v.41, n.2, p.487-512, 2011.

PAES, N. L. O custo da ineficiência da tributação indireta brasileira. Revista Brasileira de Economia de Empresas, v. 12, n. 2, p. 67-84, Brasília, 2012.

PALERMO, P.U. Efeitos econômicos e fiscais de uma reforma tributária no Brasil: análise com um modelo inter-regional de Equilíbrio Geral Computável para o Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado) Pós-Graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

PAVÃO, A. R. Impactos econômicos da introdução do milho Bt11 no Brasil: uma abordagem de equilíbrio geral inter-regional. Dissertação (Mestrado) Pós-Graduação em Economia - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL. Avaliação dos impactos econômicos, sociais e tributários do projeto de revitalização do Cais Mauá – Porto Alegre. Junho de 2015. Disponível em: <http://vivacaismaua.com.br/wp-content/uploads/2015/07/Estudo_PUC.pdf>. Acesso em 20 de maio 2018.

PORSSE, A. A. A competição tributária regional, externalidades fiscais e federalismo no Brasil: uma abordagem de equilíbrio geral computável. Tese (Doutorado) Pós-Graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

PORSSE, A. A.; MADRUGA, F.G. Efeitos Distributivos de Políticas Tributárias Anticíclicas: Análise da Desoneração do IPI sobre o Setor Automobilístico. Artigo selecionado para o XVII ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL. Maringá: agosto de 2014.

SALAMI, C. R.; FOCHEZATTO, A. Avaliando os Impactos de Políticas Tributárias sobre a Economia Brasileira com Base em um Modelo de Equilíbrio Geral de Gerações Sobrepostas. Revista Brasileira de Economia, v. 63, n.3, p.299-314, 2009.

SANTOS, C. V. Política tributária, nível de atividade econômica e bem-estar: lições de um modelo de equilíbrio geral computável. Tese (Doutorado) Pós-Graduação em Economia - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2005.

SILVA, N. L. C.; HOLLANDA, M. A. F.; CAVALCANTI. Impactos de políticas de desoneração do setor produtivo: uma avaliação a partir de um modelo de gerações superpostas. Texto para discussão nº 1400. Rio de Janeiro: IPEA, 2009.

SISTEMA integrado de administração financeira do governo federal (SIAFI). Disponível em < http://www.tesouro.fazenda.gov.br/siafi >. Acesso em 10 de ago. 2014.

TOURINHO, O. A. F.; ALVES, Y. B.; SILVA, N. L. C. Implicações Econômicas da Reforma Tributária: Análise com um Modelo CGE. Revista Brasileira de Economia, v. 64, n. 3, p. 307-340, Rio de Janeiro, julho-setembro de 2010.

Publicado
2018-12-05
Como Citar
NUNES, M. de A. (2018). Políticas econômicas anticíclicas e seus efeitos regionais e setoriais utilizando um modelo de equilíbrio geral computável inter-regional. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 4(4), 542-557. https://doi.org/10.21674/2448-0479.44.542-557
Seção
Banrisul Número especial