Avaliação do tempo de cozimento da massa de queijo prato lanche sobre a umidade do produto maturado

  • Francieli DADALT Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Rosiele Lappe PADILHA Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Voltaire SANT'ANNA Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: queijo, cozimento, temperatura, maturação, umidade

Resumo

Na fabricação de queijos, as características do produto final são determinadas pelas propriedades físico-químicas e microbiológicas do leite utilizado e pelas etapas envolvidas no processo de fabricação. As intervenções tecnológicas podem influenciar nos aspectos físico-químicos, definindo o padrão de qualidade do produto maturado. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito do processo de cozimento da massa de queijo sobre a umidade do produto maturado, uma vez que essas informações são escassas na literatura. As análises de umidade foram realizadas em tempo pré-determinado, assim, análises de correlação entre a temperatura final da massa de queijo, o tempo de cozimento, umidade inicial, umidade final, perda de umidade e taxa de secagem de Queijo Prato Lanche foram analisadas. Os resultados mostram que o tempo de cozimento está relacionado com a temperatura final da massa. Quanto maior o tempo de cozimento, menores serão os valores de umidade inicial, umidade final e haverá menores perdas de umidade do queijo maturado. Assim, o tempo de cozimento e a temperatura final da massa de queijo devem ser rigorosamente controlados, visando valores de umidade desejados no produto.

Referências

BARROS, J.J.C.; AZEVEDO, A.C.; FALEIROS JÚNIOR, L.R.; TABOGA, S.R.; PENNA, A.L.B. Queijo Parmesão: caracterização físico-química, microbiológica e microestrutura. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.31, n.1, p.285-294, 2011

BRASIL. Ministério de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria nº 358, de 04 de setembro de 1997. Aprova o regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade de Queijo Prato. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 1997. Português. http://www.crmvgo.org.br/legislacao/leite/POR00000358.pdf

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria n° 146, de 07 de março de 1996. Aprova regulamentos técnicos de identidade e qualidade dos produtos lácteos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Seção 1, p. 3977. Brasília, DF, 11 mar. 1996. Português. http://www.crmvgo.org.br/legislacao/leite/POR00000352.pdf

BRASIL. Ministério da agricultura e do Abastecimento. Instrução Normativa nº. 68, de 12 dez. de 2006. Métodos analíticos físico-químicos para o controle de leite e produtos lácteos. Anexo V, umidade e voláteis e sólidos totais- método A, item 3.4. Queijo. Secretaria de Defesa Agropecuária. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 dez. de 2006. Português.

CHALITA, M.A.N.; SILVA, R.O.P.; PETTI, R.H.V.; SILVA, C.R.L. Algumas considerações sobre a fragilidade das concepções de qualidade no mercado de queijos no brasil. Informações Econômicas, v.39, n.6, p.77-88, 2009.

CHAVES, K.D.S. Avaliação da maturação e perfil sensorial de queijos Prato probióticos tipo Lanche adicionado de Lactobacillus acidophilus La-5 e Bifidobacterium Bb-12. (Tese de Doutorado em Tecnologia de Alimentos). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2014. 95p.

DALLA ROSA, T.; WASSERMANN, G.E.; SOUZA, C.F.V.; CARON, D.; CARLINI, C.R.; AYUB, M.A.Z. Microbiological and physicochemical characteristics and aminopeptidase activities during ripening of serrano cheese. International Journal of Dairy Technology, v.61, n.1, p.70-79, 2008.

DE PAULA JCJ, CARVALHO AF, FURTADO MM. Princípios básicos de fabricação de queijo: do histórico à salga. Revista do Instituto de Laticínios “Cândido Tostes”, v.64, p.19-25, 2009.

JOHNSON, M.E. Cheese Chemistry – Part II. In: Wong NP, Jenness R, Keeney M. Fundamentals of dairy chemistry. Third Edition. Van Nostrand Reinhold. New York, 1998. p. 634-654.

KROLOW ACR, RIBEIRO MER. Obtenção de leite com qualidade e elaboração de derivados. Documentos 154 Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2006; 66p.

MARTINS, E. Manual técnico na arte e princípios da fabricação de queijos. Paraná: Gráfica e editora Campana Ltda, 2000. p. 101. http://coalhopar.com.br/novidade/manual-tecnico-na-arte-e-principios-da-fabricacao-de-queijos

NARIMATSU, A.; DRONELLAS, J.R.F.; SAPADOTI, L.M.; PIZAIA, P.; ROIG, S.M. Avaliação da proteólise e do derretimento do Queijo Prato obtido por ultrafiltração. Ciência Tecnologia de Alimentos, v.23, p.177-182, 2003.

ORDÓÑEZ, J. A. P. (Org.). Queijos. In.Tecnologia de Alimentos. v. 2 Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 85-103. Cap. 5. Português.

PERRY, K.S.P. Queijos: aspectos químicos, bioquímicos e microbiológicos. Química Nova, v.27, n.2, p.293-300, 2004.

SILVA, F.T. Queijo Prato. Embrapa Informação Tecnológica (Agroindústria Familiar). Brasília, DF, 2005. p. 54. Português. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/11887/2/00076230.pdf

TOLENTINO, M.C. Desenvolvimento e caracterização de queijo de massa semidura recoberto com alecrim (Rosmarinus officinalis L.). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos, (Tese de doutorado) 2013. p. 120.

Publicado
2019-12-10
Como Citar
DADALT, F., PADILHA, R. L., & SANT’ANNA, V. (2019). Avaliação do tempo de cozimento da massa de queijo prato lanche sobre a umidade do produto maturado. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 5(3), 257-262. https://doi.org/10.21674/2448-0479.53.257-262
Seção
ARTIGOS INÉDITOS