Revista Eletrônica Científica da UERGS http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs pt-BR <p>§ 1º Os autores cedem à Revista da UERGS os direitos autorais no momento em que submetem seus artigos à mesma. Os autores declaram que o artigo submetido não foi publicado, e não está sendo considerado para publicação, na íntegra ou em parte em outro periódico. Os autores assumem total responsabilidade pela originalidade do artigo, podendo incidir sobre os mesmos, eventuais encargos decorrentes de reivindicação, por parte de terceiros, em relação à autoria do artigo.</p><p>§ 2º A reprodução total dos artigos da Revista em outros meios de comunicação eletrônicos de uso livre é permitida de acordo com a licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional</a>. </p><p>§ 3º Para outras situações (reprodução parcial dos artigos, impressão em meio físico, entre outras) é necessária consulta e autorização prévia do Conselho Editorial.</p> revista@uergs.edu.br (RevUERGS) revista@uergs.edu.br (Israel Cefrin) Wed, 13 May 2020 00:00:00 +0000 OJS 3.1.2.0 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Número especial do X Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2801 <p>A expressividade da produção de pequenas frutas é crescente nas últimas décadas no Brasil, uma vez considerada a demanda por elevada qualidade e funcionalidade dos alimentos. O Sul do país, sobretudo a região fisiográfica dos Campos de Cima da Serra no Rio Grande do Sul, apresenta grande potencial para o cultivo, ganhando destaque. O cultivo de morangueiros, amoreiras-pretas, mirtileiros e framboeseiras, dentre outros, apresenta dificuldades tecnológicas inerentes à produção, manejo fitotécnico e pós-colheita. Objetivando-se mitigar ou eliminar tais problemáticas, tendo em vista a defasagem de informações, a realização de encontros sobre pequenas frutas surge como grande oportunidade para promover discussões acerca das tecnologias adotadas e, acima de tudo, novas alternativas para serem implementadas por produtores brasileiros.</p> <p>O Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas foi criado em 2002 numa reunião de trabalho da equipe da Emater/RS-Ascar de Vacaria quando se pensou, na ocasião, em realizar um evento regional, que discutisse tecnologias de produção e políticas para o desenvolvimento e ampliação do cultivo de pequenas frutas, já que havia um número relevante de produtores familiares, no município, envolvidos na produção de amora-preta.</p> <p>A Embrapa Uva e Vinho e a Embrapa Clima Temperado, junto à Prefeitura Municipal de Vacaria, já parceiras na introdução e fomento desses cultivos, prontamente incorporaram-se à ideia de realização do evento, cuja primeira edição, realizada em maio de 2002, foi intitulada 1º Seminário Regional sobre Pequenas Frutas. O evento recebeu abrangência nacional logo na 2ª edição, sendo renomeado para Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas, pioneiro e principal encontro sobre pequenas frutas no Brasil. Assim, é considerado um marco no desenvolvimento do polo de produção de pequenas frutas, caracterizando-se pela grande participação de agricultores familiares.</p> <p>A diversificação de cultivos e ampliação de áreas cultivadas nos Campos de Cima da Serra, bem como o surgimento de polos de produção de pequenas frutas em diversos estados brasileiros, tem exigido dinâmica inovadora da organização do evento para a idealização das edições. A partir de 2005, por exemplo, o Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas passou a ter periodicidade bianual. No último evento, em julho de 2017, houve a participação de 250 pessoas. A realização da X edição, em julho de 2019, contou com palestrantes de renome nacional e três palestrantes internacionais (Itália). Nesta ocasião, assim como na anterior, os autores submeteram resumos expandidos, porém, uma vez considerada edição comemorativa, os oito melhores trabalhos apresentados&nbsp; no X Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas foram selecionados para a publicação na edição especial da Revista Eletrônica Científica da UERGS.</p> Fabiano SIMÕES, Leonardo Soldatelli PAIM, Andrea de ROSSSI Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2801 Sat, 02 May 2020 19:14:47 +0000 Poda de renovação para segundo ciclo produtivo e origem da muda de morangueiro http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2343 <p>O objetivo deste experimento foi avaliar a produção e qualidade de frutas do morangueiro no segundo ciclo produtivo, submetida a diferentes épocas de poda de renovação da cultivar San Andreas a partir de mudas chilenas e espanholas, sob cultivo em substrato. O experimento foi realizado no município de Bom Princípio, Rio Grande do Sul. Foram utilizadas mudas provenientes de duas origens: Espanha e Chile, as quais foram submetidas a épocas de poda de renovação, realizadas nos dias 20/01, 10/02, 01/03, 20/03 de 2018. A testemunha caracterizou-se pela ausência de poda, sendo realizada a retirada de folhas senescentes, no dia 20/01. O experimento foi um fatorial 2x5, em blocos ao acaso com quatro repetições e cada repetição contendo 10 plantas. Na poda de renovação foram deixadas três coroas por planta e mantidas as duas folhas mais jovens em cada coroa. A colheita das frutas teve início em 20 de março, estendendo-se até 22 de outubro de 2018, sendo colhidas, pesadas e classificadas em frutas comerciais e não comerciais. Mensalmente, durante os meses de julho a outubro, foram coletadas cinco frutas por parcela, nos quais avaliou-se diâmetro e comprimento, teor de sólidos solúveis, acidez titulável, firmeza de polpa e relação sólidos solúveis/acidez titulável. A data de realização da poda de renovação e a origem das mudas não influenciaram no número de frutas, massa fresca e massa média de fruta. O mês de agosto apresentou qualidades físico-químicas melhores em relação aos demais meses.</p> Daniela Brustolin Backes, Carine Cocco; Gabriela Weber Schildt Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2343 Sat, 02 May 2020 19:25:19 +0000 Eficácia do controle biológico de mofo cinzento em morangos produzidos em cultivo protegido http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2396 <p>A produção de morangos semi-hidropônicos protegidos é cada vez maior. <em>Botrytis cinerea </em>é a doença que mais causa danos nesse sistema. Devido à rápida e desuniforme maturação dos frutos é difícil manejar essa doença com fungicidas químicos. O uso de biofungicidas vêm sendo uma alternativa para reduzir a contaminação do meio ambiente, manejar doenças resistentes à fungicidase controle de patógenos em cultivos orgânicos. Porém não existem muitos estudos sobre o efeito desses produtos sobre <em>B.cinerea</em><em>. </em>Assim<em>, </em>os objetivos deste trabalho foram comparar biofungicidas compostos de <em>Bacillus sp.,</em> em diferentes doses, para o controle de <em>B.cinerea, Rhizopu</em>s <em>stolonifer </em>e a produção de frutos de morangueiro em sistema semi-hidropônico. Dois experimentos comparativos de <em>Bacillus subtilis QST 173 (B.s.)</em> e <em>Bacillus amyloliquefaciens D747 (B.a.) </em>foram comparados com aplicações de água. Os ensaios foram em cultivo semi-hidropônico protegido da empresa Italbraz Ltda, localizada em Vacaria-RS. Os resultados obtidos informam que nas doses 0,8 kg/ha de <em>B.a.</em> e 1,6 L/ha de <em>B.s</em>., o <em>B.a.</em> é mais eficiente no controle de <em>B. cinerea. </em>Já nas doses de 1,0 kg/ha de <em>B.a</em>. e 2,0 L/ha de <em>B.s</em>., somente <em>B.a.</em> controla<em> B. cinerea</em>. <em>B.a</em>. e <em>B.s.</em> não controlam <em>R. stolonifer</em> e não afetam a produção de morangos.</p> Paloma Minuzzo, Rosa Maria Valdebenito Sanhueza, André Novais Spadoa, Vinícius Adão Bartnicki Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2396 Thu, 07 May 2020 14:46:04 +0000 Produção e qualidade de frutos de genótipos de amoreira-preta http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2400 <p>Previamente ao lançamento de novas cultivares é importante a realização de estudos para observar o comportamento produtivo de plantas em cada condição edafoclimática. Este estudo teve como objetivo apresentar características de produção e qualidade físico-química de frutos de genótipos de amoreira-preta cultivados na região dos Campos de Cima da Serra do RS e indicar genótipos com potencial para serem lançados como cultivares ou seguirem no programa de melhoramento genético da cultura. O experimento foi conduzido em 2018, no município de Vacaria/RS, na Embrapa Uva e Vinho – Estação Experimental de Fruticultura de Clima Temperado. Foram avaliados os seguintes genótipos: Cultivares Tupy, Xingu e Xavante e seleções Black 112, Black 139, Black 145, Black 181, Black 198, Black 212, Black 216, Black 287 e Black 288. Foram analisadas as seguintes variáveis: Produção: Produção por planta, produção por hectare e número de frutos por planta. Pós-Colheita: Massa média, comprimento, diâmetro, relação comprimento/diâmetro dos frutos, sólidos solúveis, pH do suco e acidez total titulável. Observou-se que as seleções Black 145, Black 198 e Black 216, devido à elevada produção de frutos, têm potencial para serem lançadas como novas cultivares, superando a cv. Tupy e igualando a produção da cv. Xingu. Já as seleções Black 287, Black 288 e Black 212 possuem aptidão para consumo in natura, devido às características químicas dos frutos.</p> Leonardo Oliboni do Amaral, Andrea De Rossi, Ana Maria Alves de Souza Ribeiro, Hingrid Serafim, Lucas de Ross Marchioretto Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2400 Sat, 02 May 2020 19:28:31 +0000 Desenvolvimento de doces cremosos de mirtilo e framboesa com polpa de Gila http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2402 <p>O mirtilo e a framboesa são pequenos frutos ricos em compostos fenólicos e propriedades antioxidantes, que estão ganhando a preferência dos produtores e consumidores. Enquanto que a abóbora gila é uma hortaliça não convencional, com propriedades antiglicemiantes, ainda pouco explorada comercialmente. O objetivo deste trabalho foi desenvolver doces cremosos de mirtilo e framboesa, com adição de diferentes proporções de gila, como forma de reduzir custos de produção sem alterar a aceitação sensorial dos doces. O experimento foi realizado na sede da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, unidade de Encantado RS. Foram adicionadas diferentes proporções de polpa de gila (0, 10, 15 e 20%) em doces de mirtilo e de framboesa. Os doces foram submetidos a análises sensoriais e físico-químicas de antocianinas e polifenóis totais. Os de mirtilo, além de&nbsp; não apresentarem&nbsp; diferença na concentração de polifenóis totais e de aceitação sensorial, ainda resultaram em maior concentração de antocianinas, em função da adição de gila. Já os de framboesa apresentaram diferenças significativas na avaliação sensorial e redução da concentração de antocianinas, porém não obtiveram redução na concentração de polifenóis totais. Concluiu-se que a adição de polpa de gila é uma opção viável para elaboração de doces cremosos de mirtilo e framboesa, como forma de reduzir custos sem alterar significativamente a aceitação dos produtos.</p> Sueli Fiorini Sommer, VOLTAIRE Sant'Anna Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2402 Sat, 02 May 2020 19:30:34 +0000 Respostas a aplicação de concentrações de prohexadione cálcio em amora-preta (Rubus spp.) cv. Tupy http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2438 <p>O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos da aplicação de diferentes concentrações de prohexadione cálcio na prorrogação do período de colheita e nos atributos físico-químicos de frutos de amoreira preta da cultivar Tupy. Os tratamentos foram constituídos de quatro concentrações de prohexadione cálcio (PCa) (100; 200; 400; 800 mg.L<sup>-1</sup>), além de um tratamento testemunha sem aplicação. Foram avaliados os dias decorridos após a aplicação (DAP), massa média dos frutos, sólidos solúveis, acidez titulável e cor: luminosidade (L*), ângulo hue (ºHue), cromaticidade (C*). A PCa estende o período de colheitas dos frutos de amora-preta em decorrência do aumento das concentrações aplicadas, doses elevadas de PCa diminuem a massa média de frutos e aumentam o teor de sólidos solúveis. Quanto aos parâmetros de cor, os frutos tendem ao vermelho (ºHue), com aumento dos valores de luminosidade (L*) e intensidade da cor (C*).</p> Eloi Evandro Delazeri, Andressa Vighi Schiavon, Luis Eduardo Correa Antunes, Luiz Antônio Camacho Nardello, Cristiano Geremias Hellwig Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2438 Sat, 02 May 2020 19:32:49 +0000 Efeito da aplicação foliar de silício nos aspectos produtivos e de qualidade de frutos de morangueiro http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2446 <p>O objetivo do presente estudo é de avaliar o efeito da aplicação foliar de diferentes doses de silício sobre características produtivas e qualitativas das frutas de morangueiro ‘Pircinque’ cultivado nas condições edafoclimáticas do Planalto Norte Catarinense. O experimento foi realizado na área experimental do Instituto Federal de Santa Catarina, IFSC – Campus Canoinhas, e os morangueiros da cultivar Pircinque foram cultivados em sistema convencional no solo, com ambiente protegido (estufa), adotando-se um espaçamento de plantio de 30 centímetros entre plantas e linhas de plantio, com três linhas de cultivo por canteiro. Os tratamentos consistiram na aplicação foliar de cinco doses de silício, sendo elas: 0, 100, 200, 300 e 400 g/100L água, utilizando-se o produto comercial Agrisil<sup>®</sup> (99% Si). As aplicações foram realizadas a cada 21 dias, e foi avaliado seu efeito em parâmetros produtivos (número de frutos, produção, produtividade e massa fresca de fruto) e qualitativos das frutas (% comerciais, deformados e pequenos, sólidos solúveis, acidez total, Ratio e firmeza de polpa). A aplicação de silício proporcionou aumento do percentual de frutas comerciais em todas as dosagens avaliadas, além de resultar em aumento da firmeza de polpa. Ressalta-se que a aplicação do silício nas doses de 300 g e 400 g/100L água, apresentam maiores efeitos na firmeza de polpa, o que pode resultar em melhor conservação pós-colheita das frutas. A aplicação foliar de silício não influencia as variáveis produtivas e qualitativas avaliadas dos frutos do morangueiro ‘Pircinque’ cultivado no Planalto Norte Catarinense.</p> Douglas André WÜRZ, Alcemir Nabir KOWAL, Antonio Felippe FAGHERAZZI, Grazieli dos SANTOS, Luana LEITE Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2446 Sat, 02 May 2020 19:35:14 +0000 Aplicação foliar de silício reduz a ocorrência de doenças fúngicas na cultura do morangueiro http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2447 <p>Diversas doenças fúngicas podem ocorrer na cultura do morangueiro, dentre as quais, a micosferela, a antracnose e o mofo cinzento. O silício é um mineral que atua como agente fertilizante e defensivo agrícola. A fim de reduzir o uso de agrotóxicos, esse trabalho teve por objetivo avaliar o efeito de diferentes doses de silício no controle das principais doenças fúngicas do morangueiro cultivado no Planalto Norte Catarinense. O trabalho foi realizado na área experimental do IFSC – Campus Canoinhas, através de tratamentos que consistiram na aplicação de cinco diferentes doses de silício, por meio do produto Agrisil<sup>®</sup> (99% Si). Foram realizadas aplicações com diferentes doses do produto, 100, 200, 300 e 400 g (i.a. silício)/100L água. As avaliações da incidência e severidade das doenças foram realizadas, e as doses de 300g e 400 g (i.a. silício)/100L água proporcionaram redução na ocorrência da micosferela e mofo cinzento. Assim, o uso de silício apresenta-se como uma alternativa para o controle dessas doenças, reduzindo os impactos ambientais e o efeito nocivo ao trabalhador rural.</p> Douglas André WÜRZ, Alcemir Nabir KOWAL, Antonio Felippe FAGHERAZZI, Daniele Moreira RIBEIRO, Mauro NIZER Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2447 Sat, 02 May 2020 19:37:26 +0000 Desempenho produtivo de genótipos de morangueiro de dia neutro na Serra Gaúcha http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2469 <p>O cultivo de morango no período de entressafra, durante os meses de verão, desperta interesse na Serra Gaúcha, devido às condições climáticas favorecerem produções tardias. Para isso, cultivares de dia neutro são utilizadas, já que estas não sofrem interferência do aumento do fotoperíodo para a indução floral. Portanto, a introdução e avaliação de genótipos de dia neutro se configura como uma demanda para os produtores dessa região. Assim, o presente estudo teve como objetivo avaliar a produção de diferentes genótipos de morangueiro de dia neutro na Região da Serra Gaúcha. Foram avaliadas as cultivares Albion, San Andreas e Irma, e as seleções FRF FC 104.01, FRF FC 57.06 e FRF FC 191.02, as quais foram implantadas no município de Farroupilha - RS em maio de 2017, em delineamento inteiramente casualizado contendo quatro repetições, e unidade experimental composta por 10 plantas. Foram avaliadas as variáveis produtivas e de qualidade físico-química das. As cultivares americanas Albion e San Andreas, bem como as seleções italianas FRF FC 104.01 apresentaram maior produção de frutas, estabilidade no tamanho das frutas e prolongamento do ciclo produtivo. Nas condições do estudo, observou-se que a cultivar italiana Irma não expressa o mesmo potencial produtivo observado em seu país de origem.</p> Carine COCCO, Gabriela Weber SCHILDT, Fernando GIACOMEL, Antônio Felippe FAGHERAZZI, Daniel Suek ZANIN, Aike Anneliese KRETZSCHMAR Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica Científica da UERGS http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://revista.uergs.edu.br/index.php/revuergs/article/view/2469 Thu, 07 May 2020 14:48:03 +0000