As abelhas e seu serviço ecossistêmico de polinização

Deise Barbosa BARBOSA, Eliane Fátima CRUPINSKI, Rosangela Nunes SILVEIRA, Daniela Cristina Hass LIMBERGER

Resumo


Com os avanços da agricultura, o desflorestamento, o desenvolvimento urbano e demais atividades antrópicas, a biodiversidade está ameaçada. As populações de polinizadores naturais também diminuem, por não encontrar mais recursos suficientes para alimentar-se e nidificar-se. Dessa forma, com esta revisão narrativa, buscou-se uma reflexão sobre a presteza das abelhas em seus serviços ecossistêmicos. A polinização é um serviço ecossistêmico que tanto os sistemas naturais como agrícolas dependem, mas que não tem ganho a devida importância econômica. As abelhas são os principais agentes polinizadores, prestando um serviço ecossistêmico extremamente importante, pois além de contribuírem com o meio ambiente auxiliando na disseminação das plantas, garantindo a variação genética importante para o desenvolvimento das espécies, são produtoras de mel. A presença de abelhas indica qualidade ambiental e, portanto a perda deste inseto ameaça inclusive a saúde ambiental dos ecossistemas existentes.

 

Palavras-chave


Serviços ecossistêmicos; Abelhas; Polinização

Texto completo:

PDF

Referências


BIESMEIJER, J.C.; SLAA, E.J. The structure of eusocial bee assemblages in Brazil. Apidologie, n.37, p. 240-258, 2006.

COSTA, C.C.de A.; OLIVEIRA, F.L. Polinização: serviços ecossistêmicos e o seu uso na agricultura. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 8, n. 3, p.1-10, 2014.

COX, R. L.; WILSON, W. T. Effects of permethrin on the behavior of individually tagged honey bees, Apis mellifera L. (Hymenoptera:Apidae). Environmental Entomology, v. 13, p. 375-378, 1984.

FAO. Conservation and management of pollinators for sustainable agriculture – the international response. In: FREITAS, B.M.; PEREIRA, J.O.P. Solitary bees: conservation, rearing and management for pollination, 2004. p. 19-25.

KERR W.K., CARVALHO G.A., NASCIMENTO V.A. (1996) Abelha uruçu: biologia, manejo e conservação. Paracatu: Acangaú.

KERR W.E., CARVALHO G.A., SILVA A.C., ASSIS M.G.P. (2005) Aspectos pouco mencionados da biodiversidade amazônica. Mensagem doce. n.80.

NOGUEIRA-COUTO, R.H. As abelhas na manutenção da biodiversidade e geração de rendas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA, 12, 1998, Salvador-BA. Anais... Salvador: 1998, p. 101.

ROBERTO, G.B.P.; MONTAGNANA, P.C.; BROCANELLI, F.G.; GRISOLIA, B.B.; FANG, Z.X.; MATSUDA, D.C.; CAMPOS, M.J. O. As abelhas polinizadoras nas propriedades rurais. Rio de Janeiro: Funbio, 2015.

ROCHA, M.C.L.S.A. Efeitos dos agrotóxicos sobre as abelhas silvestres no Brasil: proposta metodológica de acompanhamento. Brasília: Ibama, 2012.

SOUZA, R.C.daS.; YUYAMA, L.K.O.; AGUIAR, J.P.L.; OLIVEIRA, F.P.M. Valor nutricional do mel e pólen de abelhas sem ferrão da região amazônica. Acta Amazonica. 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.21674/2448-0479.34.694-703

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.