Desempenho de sementes de soja tratadas com bioestimulante sob diferentes condições de potencial osmótico

  • Lucas TATTO Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Campus de Frederico Westphalen, Departamento de Agronomia, Frederico Westphalen, RS
  • Stela Maris KULCZYNSKI Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Campus de Frederico Westphalen, Departamento de Agronomia, Frederico Westphalen, RS
  • Cristiano BELLÉ Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Campus Universitário Capão do Leão, Departamento de Fitossanidade, Pelotas, RS. http://orcid.org/0000-0003-2247-3207
  • Daniel MORIN Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Campus de Frederico Westphalen, Departamento de Agronomia, Frederico Westphalen, RS
  • Felipe Minetto RUBIN Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Campus de Frederico Westphalen, Departamento de Agronomia, Frederico Westphalen, RS
  • Marcos Piovesan ULIANA Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Campus de Frederico Westphalen, Departamento de Agronomia, Frederico Westphalen, RS
Palavras-chave: Glycine max (L.) Merrill, indutor de resistência, restrição hídrica, germinação, vigor de sementes

Resumo

O trabalho teve como objetivo verificar a influência do tratamento de sementes com bioestimulante sob condições de diferentes potenciais osmóticos e seu efeito sobre o potencial fisiológico da semente e o desenvolvimento inicial da cultura da soja. Os tratamentos foram arranjados em esquema fatorial 2 x 5, sendo, presença ou ausência do bioestimulante, e cinco potenciais osmóticos (0,0; -0,3; -0,6; -0,9; -1,2 MPa), com quatro repetições. A qualidade fisiológica das sementes foi determinada através dos testes de germinação - primeira contagem da germinação; classificação do vigor das plântulas; comprimento e matéria seca da parte aérea e das raízes das plântulas. De acordo com os testes realizados, verificou-se que o decréscimo no potencial osmótico, induzido por solução de NaCl, reduz a germinação e o vigor de sementes de soja, e que o tratamento de sementes com bioestimulante proporciona aumento no desempenho de plântulas de soja e induz resistência a condições de estresse hídrico.

Referências

ALBRECHT, L. P. et al. Biorregulador na composição química e na produtividade de grãos de soja. Revista Ciência Agronômica, v. 43, p. 774-782, 2012.

ALBRECHT. L. P. et al. Manejo de biorregulador nos componentes de produção e desempenho das plantas de soja. Bioscience Journal, v. 27, p. 865-876, 2011.

ÁVILA, M. R. et al. Bioregulator application, agronomic efficiency, and quality of soybean seeds. ScientiaAgricola, v. 65, p. 604-612, 2008.

ÁVILA, M. R. et al. Influência do estresse hídrico simulado com manitol na germinação de sementes e crescimento de plântulas de canola. Revista Brasileira de Sementes, v. 29, p. 98-106, 2007.

BALDO, R. et al. Comportamento do algodoeiro cultivar Delta Opal sob estresse hídrico com e sem aplicação de bioestimulante. Ciência e Agrotecnologia, v.33, p. 1804-1812, 2009.

BERTAGNOLLI, C.et al. Qualidade fisiológica e composição química de sementes de soja submetidas ao estresse salino. Revista Brasileira Agrociência, v.10, p. 287-291, 2004.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Regras para análise de sementes. Brasília: Ministério da Agricultura, 2009.

CAVALCANTE, A. M. B.; PEREZ, S. C. J. G. A. Efeitos dos estresses hídrico e salino sobre a germinação de sementes de Leucaenaleucocephala(Lam.) de Witt. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.30, p. 281-289, 1995.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistic alanalysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, p. 1039-1042, 2011.

KLAHOLD, C. A. et al. Resposta da soja (Glycinemax (L.) Merrill) à ação de bioestimulante. Acta ScientiarumAgronomy, v. 28, p.179-185, 2006.

KRZYZANOWSKI, F. C. et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999.

LEITE, V. M. et al. Gibberellin and cytokinin effects on soybean growth. ScientiaAgricola, v. 60, p. 537-541, 2003.

LIMA, L. H. G. M. et al. Atributos fisiológicos de sementes de algodoeiro submetidas a estresse salino. Revista Brasileira de Oleginosas e Fibrosas, v. 11, p. 173-184, 2007.

LIMA, M. G. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes de arroz submetidas a estresse salino. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, p. 54-61, 2005.

MACHADO NETO, N. B. et al. Deficiência hídrica induzida por diferentes agentes osmóticos na germinação e vigor de sementes de feijão. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, p.142-148, 2006.

MACHADO NETO, N. B. et al. Water stress induced by mannitol and sodium chloride in soybean cultivars. Brazilian Archives of Biology and Technology, v.47, p. 521-529, 2004.

MORAES, G. A. F. et al. Comportamento de sementes de feijão sob diferentes potenciais osmóticos. Ciência Rural, v.35, p. 776-780, 2005.

MOTERLE, L. M. et al. Efeito da aplicação de biorregulador no desempenho agronômico e produtividade da soja. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 30, p. 701-709, 2008.

MOTERLE, L. M. Efeito de biorregulador na germinação e no vigor de sementes de soja. RevistaCeres, v. 58, p. 651-660, 2011.

MOTERLE, L. M.; SCAPIM, C.A. Influência do estresse hídrico sobre o desempenho fisiológico de sementes de híbridos simples de milho-pipoca. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, p. 1810-1817, 2008.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados nos desempenhos das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p.2-24, 1999.

RAJALA, A.; PELTONEN-SAINIO, P. Plant growth regulator effects on spring cereal root and shoot growth. Agronomy Journal, v. 5, p. 936-943, 2001.

SALISBURY, F. B.; ROSS, C. W. Plant Physiology. 4ed. Belmont: Wadworth, 1991.

SANTOS, C. M. G.; VIEIRA, E. L. Efeito de bioestimulante na germinação de sementes, vigor de plântulas e crescimento inicial do algodoeiro. Magistra, v. 17, p. 124-130, 2005.

SILVA, J. I. C. et al. Uso de estimulantes de crescimento radicular associado a doses de fósforo na cultura do feijoeiro. Agrarian, v. 2, p. 47-62, 2009.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIEIRA, E. L.; CASTRO, P. R. C. Ação de bioestimulante na germinação de sementes, vigor de plântulas, crescimento radicular e produtividade de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 23, p. 222-228, 2001.

VIEIRA, E. L.; MONTEIRO, C. A. Hormônios vegetais. In: CASTRO, P. R. C.; SENA, J. O. A.; KLUGE, R. A. (Eds.). Introdução à fisiologia do desenvolvimento vegetal. Maringá: EDUEM, 2002.

Publicado
2018-10-23
Como Citar
TATTO, L., KULCZYNSKI, S. M., BELLÉ, C., MORIN, D., RUBIN, F. M., & ULIANA, M. P. (2018). Desempenho de sementes de soja tratadas com bioestimulante sob diferentes condições de potencial osmótico. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 4(3), 397-408. https://doi.org/10.21674/2448-0479.43.397-408
Seção
Artigos