Procrastinação e aprendizagem acadêmica

Bárbara Alves Branco MACHADO, Suzana SCHWARTZ

Resumo


Esse estudo foi realizado no contexto do componente curricular Metodologia de Pesquisa, em um curso de licenciatura, no qual a proposta foi a de aprender pesquisar na prática. O tema, escolhido pelo grupo de alunos, foi a procrastinação em âmbito universitário, com o objetivo de compreender se ela contribui negativamente para o desempenho acadêmico. O motivo da escolha do tema foi a percepção da recorrência do fenômeno no contexto de inserção, inclusive entre os participantes. A pesquisa enfatizou a abordagem qualitativa, utilizando como instrumento metodológico entrevistas semiestruturadas, gravadas, transcritas e analisadas através da Análise de Conteúdo. Os resultados indicam que a elaboração de uma estratégia de organização de tarefas pode contribuir para minimizar a procrastinação acadêmica, porém ideias como “automatismo de repetição” iniciando, muitas vezes, cursos com atitudes e procedimentos aprendidos em contextos escolares diferentes, no modo “cumprir tarefa”, sem que os alunos sejam acolhidos com a explicitação das mudanças de expectativas, sem perceber que aprender pode ser significativo e prazeroso, quando explicitados os “objetivos” os “procedimentos”, os “critérios avaliativos”, contribuíram para que os alunos/pesquisadores refletissem criticamente, percebendo que, ao longo dessa experiência não haviam procrastinado tarefas e que tinham aprendido metodologia de pesquisa na prática, realizando uma que está sendo compartilhada nesse artigo.


Palavras-chave


Procrastinação acadêmica; desempenho acadêmico; pesquisa acadêmica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO T. J. Evaluación Psicopedagógica y Orientación Educativa. Madrid: Síntesis, 2014.

BAGGI, C. A. S; LOPES, D. A. Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Avaliação, Campinas, v.16, n.2, p. 355-374, jul. 2011.

BRITO, F. S; BARKOS, D. D. G. S. Procrastinação e terapia cognitivo-comportamental: uma revisão integrativa. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, São Paulo, v. 9. n. 1, p.34-41, jun. 2013.

CHUEIRI, M. S. F. Concepções sobre a avaliação escolar. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 19, n. 39, p. 49-64, jan./abr. 2008.

CÓRDOVA, F. P; SILVEIRA, D. T. A pesquisa científica. In.: GERHARDT, T; SILVEIRA, D.T. (Org.). Métodos de Pesquisa. 1ª. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. p. 31-42.

CORREIA, R. R; JÚNIOR, P. J. M. Aprendizagem e Procrastinação: Uma Revisão de Publicações no Período 2005-2015. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madrid, 2017, v. 15, n. 2, p. 111-128, jul./dez. 2017.

COVINGTON, M. La Voluntad de Aprender: Guía para la Motivación en el Aula. 1ª ed. Madrid: Alianza Editorial, 2003.

ENUMO, S. R. F; KERBAUY, R. R. Procrastinação: descrição de comportamentos de estudantes e transeuntes de uma capital brasileira. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 125-133, jul./dez. 1999.

FERREIRA, A. B. H. O minidicionário da língua portuguesa. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. p. 595.

FREIRE, L. G. L. Auto-regulação da aprendizagem. Ciências e Cognição, Rio de Janeiro, v. 14, n.2, p. 276-286, jun. 2009.

FREIRE. P. Pedagogia da Autonomia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GALIAZZI, M. C; MORAES, R. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, Bauru, v. 12, n. 1, p. 117-128, abril. 2006.

GERHARDT, T. et al. A entrevista semiestruturada. In.: GERHARDT, T; SILVEIRA, D. T. (Org.). Métodos de Pesquisa. 1ª.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. p. 72.

LACERDA, M. P. Quando Falam as Professoras Alfabetizadoras. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

MINAYO, M. C. S. (Org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2002.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.17, n.3, p. 621-626, mar. 2012.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, jun./ago. 2003.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1996.

MORIN, E. O Método III: o conhecimento do conhecimento. 2 ed. Porto Alegre: Sulina, 1999.

MORIN, E. A cabeça bem feita: repensar a reforma reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 2ª ed. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

MORIN, E. O método II – A vida da vida. Portugal: Europa-América, 1980.

NUNES, R. C. Panorama Geral da Evasão e Retenção no Ensino Superior no Brasil (IFES). In: XXVII Encontro Nacional de Pró-Reitores de Graduação, Painel. Recife: FORGRAD, 2013. Disponível em: . Acesso em 29 jun. 2014.

OLIVEIRA, M. K. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. In.: RIBEIRO, V. M. (Org.) Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. 1ª ed. Campinas: Mercado de Letras/Ação educativa, 2001. p. 15-45.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PIAGET. J. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olympio, 1976.

POLYDORO, S. A. J; AZZI, R. G. Autorregulação da aprendizagem na perspectiva da teoria sociocognitiva: introduzindo modelos de investigação e intervenção. Psicologia da Educação, São Paulo, s/v, n. 29, p. 75-94, dez. 2009.

POLYODRO, S. A. J. O trancamento de matrícula na trajetória acadêmica do universitário: condições de saída e de retorno a instituição. 2000. 167 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

BARBOSA, M. R. L. S; ROCHA, A. P. M. AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Revista da Católica, Uberlândia, v. 3, n.5, p. 1-12-12, jan./jul. 2011.

ROSÁRIO, P; NÚÑEZ, J. C; GONZÁLEZ-PIENDA, J. A. Cartas do Gervásio ao seu umbigo: comprometer-se com o estudar na Educação Superior. São Paulo: Editora Almedina, 2012.

SAMPAIO, R. K. N; BARIANI, I. C. D. Procrastinação Acadêmica: um estudo exploratório. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 2, n. 2, p. 242-262, dez. 2011.

SAMPAIO, R. K. N; POLYDORO, S. A. J; ROSÁRIO, P. S. L. F. Autorregulação da aprendizagem e a procrastinação acadêmica em estudantes universitários. Cadernos de Educação FaE/PPGE/UFPel, Pelotas, s/v, n. 42, p. 119-142, mai./jun./jul./ago. 2012.

SANTOS, L. Vivências acadêmicas e rendimento escolar, estudos com alunos universitários do 1º ano. 2000. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Minho, Braga, 2000.

SCHWARTZ, S. Motivação para ensinar e para aprender: teoria e prática. 1ª ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

SCHWARTZ, S; FRISON, L B. Aprendizagem autorregulada e autonomia: articulações com o conceito de erro construtivo. In.: ABRAÃO. M. H. M. B. (Org.). Professores e alunos. 1ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008, p. 355-381.

SILVA FILHO, R. L. L, et al. A evasão no Ensino Superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 641-659, set./.dez. 2007.

SILVA, A. S. Evasão no Ensino Superior. In.: XXV ENCONTRO NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE GRADUAÇÃO (painel), 2012, Uberlândia. Apresentações do XXV ENCONTRO NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE GRADUAÇÃO, Uberlândia: FORGRAD, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2017.

SILVA, F. et. al. Evasão escolar no curso de Educação Física da Universidade Federal do Piauí. Avaliação (RAIES – Revista da Avaliação da Educação Superior), Campinas e Sorocaba/SP, v. 17, n. 2, p. 391-404, jul. 2012.

TINTO, V. Dropout from higher education: a theoretical synthesis of recent research. Review of Educational Research, Washington, v. 45, n. 1, p. 89-125, winter, 1975.

SELIGMAN, M. E. P. Helpleness: On Depression, Development and Death. San Francisco: Freeman, 1975.

SMILEY, P. A.; DWECK, C. S. Individual differences in achievement goals among young children. Child development, v. 65, n. 6, p. 1723-1743, Dez. 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.21674/2448-0479.41.119-135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.