Fala sério, Mãe!: um estudo comparativo entre a obra literária e o filme e sua contribuição na formação do leitor

Palavras-chave: Obra literária;, adaptação fílmica;, formação de leitores;, linguagens.

Resumo

Resumo

O presente artigo constitui uma adaptação do Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Especialização em Teoria e Prática da Formação do Leitor, na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, em 2019. Este teve como objetivo compreender como o texto escrito pode ser transformado em imagens, ações ou diálogos, estabelecendo uma relação entre a arte literária e a arte cinematográfica, bem como elucidar algumas diferenças existentes entre as duas linguagens e como essa relação contribui para a formação de leitores. A análise se justifica devido à busca por comprovação de que adaptações cinematográficas de obras literárias contribuem para a formação de leitores. A metodologia adotada baseou-se em revisão bibliográfica e análise comparativa entre o livro da escritora Thalita Rebouças, Fala Sério, Mãe! e a adaptação cinematográfica homônima. Depois de fundamentar a análise acerca dos conceitos de linguagem literária (LAJOLO, 1996; MARTINS, 1986) e arte cinematográfica (COLODA, 1972; SANTAELLA, 2001; SOTTA, 2015), procurou-se elucidar algumas diferenças estabelecidas entre as duas linguagens. Os resultados sugerem que as adaptações cinematográficas de obras literárias contribuem para a formação de leitores ao divulgarem a existência de uma obra nas quais foram baseadas e auxiliam para que o leitor se sinta capaz de explorar diferentes formas de linguagens.

Palavras-chave: Obra literária; adaptação fílmica; formação de leitores; linguagens.

Abstract

This article is an adaptation of the Course Conclusion Paper presented to the Specialization in Theory and Practice of Reader Education, at the State University of Rio Grande do Sul, in Porto Alegre, in 2019. It aimed to understand how written text can be changed into images, actions or dialogues, establishing a relationship between literary and cinematographic art, as well as elucidating some existing differences between the two languages ​​and how this relationship contributes to the formation of readers. The analysis is justified due to the search for proof that cinematographic adaptations of literary works contribute to the formation of readers. The methodology was based on a literature review and a comparative analysis of the book by writer Thalita Rebouças, “Fala sério, Mãe!” and the homonymous film adaptation. After substantiating the analysis on the concepts of literary language (LAJOLO, 1996; MARTINS, 1986) and cinematographic art (COLODA, 1972; SANTAELLA, 2001; SOTTA, 2015), some differences between the two languages should be elucidated. The results suggest that the cinematographic adaptations of literary works contribute to the formation of readers by disclosing the existence of a work on which they were based and helping the reader to feel capable of exploring different forms of languages.

Keywords: Literary work; film adaptation; reader training; languages.

Resumen

Este artículo es una adaptación del Trabajo de Conclusión del Curso presentado a la Especialización en Teoría y Práctica de la Formación del Lector, de la Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, en Porto Alegre, en 2019, que tuvo como objetivo comprender cómo el texto escrito se puede transformar en imágenes, acciones o diálogos, estableciendo una relación entre arte literario y arte cinematográfico, además de dilucidar algunas diferencias existentes entre los dos lenguajes y cómo esta relación contribuye a la formación de lectores. El análisis se justifica por la búsqueda de pruebas de que las adaptaciones cinematográficas de obras literarias contribuyen a la formación de lectores. La metodología adoptada se basó en una revisión de la literatura y un análisis comparativo del libro de la escritora Thalita Rebouças, Fala sério, Mãe!, y la adaptación cinematográfica homónima. Tras fundamentar el análisis en los conceptos de lenguaje literario (LAJOLO, 1996; MARTINS, 1986) y arte cinematográfico (COLODA, 1972; SANTAELLA, 2001; SOTTA, 2015), se buscó dilucidar algunas diferencias establecidas entre los dos lenguajes. Los resultados sugieren que las adaptaciones cinematográficas de obras literarias contribuyen a la formación de los lectores al dar a conocer la existencia de una obra en la que se basan y ayudar al lector a sentirse capaz de explorar diferentes formas de lenguajes.

Palabras clave: Obra literaria; adaptación cinematográfica; formación de lectores; idiomas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Monteiro Ribeiro Lemos, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)
Luciane Sippert Lanzanova, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)

Referências

AMORIM, M. Á. de. Ver um livro, ler um filme: sobre a tradução/adaptação de obras literárias para o cinema como prática de leitura. In: Cadernos CNLF. Vol. XIV,nº 2,t.2.Rio de Janeiro:CiFEFil,2010,p.1725-1739.Disponivel em: http://www.filologia.org.br/xiv¬_cnfl/tomo_2/1725-1739.pdf. Acesso em 9 jan. 2020.

AUMONT, J. A imagem. São Paulo: Papirus, 1995.

AZEREDO, G. Alguns pressupostos teórico-críticos do fenômeno da adaptação fílmica. In: GOUVEIA, Arturo; AZEREDO, Genilda (Orgs). Estudos comparados: análise de narrativas literárias e fílmicas. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2012.

AZEVEDO, M. Thalita Rebouças: uma breve análise da construção e consolidação da identidade midiática da autora. Disponível em: http: www.portalintercom.org.br/anais/sudeste2014/resumos/r43-0114-1.pdf. Acesso em: 19 jan. 2019.

BARTHES, R. O prazer do Texto. São Paulo: Editora Perspectiva, 1987.

COLODA, S. C.; VIAN, I. N. Cinema e TV no Ensino. Porto Alegre: Sulina, 1972.

DURÁN, G. R. As Concepções de Leitura e a Produção do sentido no texto. Revista Prolíngua. V.2, n.2, 2009. Disponível em http:www.periodicos.ufpb.br/índex.php/prolingua/article/viewfile.Acesso em: 22 jan. de 2019.

FREIRE, P. A importância do ato de ler, em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1989.

GLOBO FILMES. Filme Fala sério, Mãe. Disponível em: http://globofilmes.globo.com/filme/fala-serio-mae/2017. Acesso em 23 mar. 2019.

ISTSCHUK, A. P. Adaptação cinematográfica: uma estratégia de leitura. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014- UFPR- port - pdp -Ana-paula -istschuk.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

KATO, M. O aprendizado da leitura. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1987.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2009.

LAJOLO, M. A formação do leitor no Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

MARTINS, H. O que é leitura. 7ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

ORLANDI, E. P. Discurso e Leitura. Campinas: Unicamp, 1995.

RANGEL, E.O. ROJO, R, H, R. Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, v.19. 2010.

SANTAELLA, L. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual, verbal: aplicações na hipermídia. São Paulo: Iluminuras, 2001.

______. O que é semiótica. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SOTTA, C.P. A literatura e o cinema: convergências e divergências. In: Das letras às telas: a tradução intersemiótica de ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015, p.156-230. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 05 fev http://globofilmes.globo.com/filme/fala-serio-mae/2017. 2019.

REBOUÇAS, T. Fala sério, Mãe!. São Paulo: Rocco Jovens Leitores, 2004.

______. Biografia. Disponível em: https:// www.Thalita-Rebouças.blogspot.com. Acesso em: 19 jan. 2019.

Publicado
2021-12-29
Como Citar
Monteiro Ribeiro Lemos, A. C., & Sippert Lanzanova, L. (2021). Fala sério, Mãe!: um estudo comparativo entre a obra literária e o filme e sua contribuição na formação do leitor. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 7(3), 293-302. https://doi.org/10.21674/2448-0479.73.293-302