Fatores para implantação e desenvolvimento da gestão por competências em agências reguladoras federais

Resumo

O presente artigo aborda o tema da modernização da gestão de pessoas na Administração Pública Federal no Brasil, referente às políticas de implementação da gestão estratégica por competências como instrumento de desenvolvimento de servidores públicos. O estudo buscou analisar o processo de implantação do modelo de competências nas Agências Federais de Regulação, de forma a identificar os principais fatores que interferem no processo de institucionalização deste modelo de gerenciamento de recursos humanos. Buscou-se embasamento nos pressupostos da Visão Baseada em Recursos e nas teorias do Novo Institucionalismo para a composição de perspectivas complementares na análise do citado processo. A pesquisa, de natureza descritiva, foi executada mediante entrevistas semiestruturadas aplicadas junto a 18 servidores e gestores, atuantes na área de gestão de pessoas, nas 10 agências reguladoras federais. Os relatos, então, foram processados por meio do emprego da análise categórica de conteúdo que permitiu identificar, nas entrevistas, 19 fatores contextuais distribuídos em seis categorias gerais. Observou-se que os fatores descrevem uma combinação complexa de elementos organizacionais e institucionais que proporcionam diferentes trajetórias e capacidades de implantação da gestão por competências em cada agência. Dessa forma, concluiu-se que a gestão por competências é resultado de um processo gradual de desenvolvimento organizacional, mas que, no setor público, sofre grande influência de seu ambiente institucional, principalmente em função do seu caráter normativo-legal e da centralização de decisões em políticas de gestão de pessoas pelos órgãos centrais de Governo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Ribeiro da FONSECA, Universidade de Brasília

Doutorando em Administração na Universidade de Brasília (UnB), Técnico Adminsitrativo na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Pesquisador Sênior no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e Pesquisador bolsista da Escola Nacional de Administração Pública (Enap).

Pedro Paulo Murce MENESES, Universidade de Brasília
Doutor (2007) e mestre (2002) em Psicologia pela Universidade de Brasília. Professor Adjunto do Departamento de Administração e Pesquisador Credenciado do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de Brasília/Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Ciências da Informação e Documentação, onde atua, respectivamente, como docente e coordenador da área de pós-graduação stricto sensu de estudos organizacionais e gestão de pessoas. Coordenador do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Políticas Estratégicas de Gestão de Pessoas no Setor Público, a partir do qual desenvolve estudos acerca da efetividade das práticas de administração de recursos humanos no âmbito do poder executivo.

Referências

APPEL, H.; BITENCOURT, C. C. Gestão de Pessoas por Competência: Institucionalização, Possibilidades e Dificuldades Implícitas nas Relações Trabalhistas Brasileiras. Organizações e Sociedade, Salvador, v.15 n.46, p.175-193, 2008.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2009.

BRASIL. Decreto n. 5.707, de 23 de fevereiro de 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei Nº 8.112/90. Presidência da República, Brasília, 2006.

BRANDÃO, H. P.; BAHRY, C. P. Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público, Brasília, v.56, n.2, p.179-194, 2005.

BRANDÃO, H. P.; GUIMARÃES, T. A. Gestão por Competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo constructo? Revista de Administração de Empresas – RAE, São Paulo, v.41, n.1, p.8-15, 2001.

DiMAGGIO, P. J.; POWELL, W.W. The iron cage revisited: Institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. In: POWELL, W.W.; DiMAGGIO, P. J. The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

GELIS FILHO, A. Análise comparativa do desenho normativo de instituições reguladoras do presente e do passado. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.40, n.4, 2006.

LACOMBE, B. M. B.; CHU, R. A.; Políticas e práticas de gestão de pessoas: As abordagens estratégica e institucional. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.48, n.1, 2008.

MACHADO-DA-SILVA, C.L; GONÇALVES, S. A. Nota Técnica: A Teoria Institucional. In: C. L. MACHADO-DA-SILVA, S. A. GONÇALVES. Handbook de Estudos Organizacionais: Modelos de Análise e Novas Questões em Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999, cap.7, p.220-226.

OCDE, Avaliação da Gestão de Recursos Humanos no Governo – Relatório da OCDE Brasil: Governo Federal (Portuguese version). OECD Publishing, 2010.

OCDE, Managing competencies in Government: State of the art practices and issues at stake for the future – GOV/PGC/PEM (2009)2. In: Annual Meeting of the Public Employment and Management Working Party. Reino Unido, dez., 2009.

PAAUWE, J.; BOSELIE, P. Challenging ‘strategic HRM’ and the relevance of the institutional setting. Human Resource Management Journal, v.13, n.3, p.56-70, 2003.

PORTER, M. E. Competitive strategy. New York: Free Press, 1980.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. Competindo pelo futuro: Estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. São Paulo: Elsevier: 2005.

SILVA, A. B.; GODOI, C. K. O processo de aprendizagem como balizador para o desenvolvimento de um modelo de competências para uma empresa do setor elétrico. Revista do Centro de Ciências Administrativas, Fortaleza, v.12, n.1, p.62-75, 2006.

SCHOMMER, P. C. Gestão pública no Brasil: Notícias do teatro de operações. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.43, n.4, 2003.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: S.R CLEGG et al. Handbook de estudos organizacionais: Modelos e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v.1, p.196-219.

VERGARA. S. C. Métodos de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2006.

WRIGHT, P. M. McMAHAN, G.C. Theoretical perspectives for strategic human resource management. Journal of management, Vol.18, n.2, p. 295-320, 1992.

Publicado
2016-10-01
Como Citar
FONSECA, D. R. da, & MENESES, P. P. M. (2016). Fatores para implantação e desenvolvimento da gestão por competências em agências reguladoras federais. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 2(2), 117-133. https://doi.org/10.21674/2448-0479.22.117-133
Seção
ARTIGOS INÉDITOS