Uso da cataia para a produção de aguardente composta

Luciele Milani ZEM, Katia Christina ZUFFELATTO-RIBAS, Maria Izabel RADOMSKI, Henrique Soares KOEHLER, Agenor Maccari JUNIOR

Resumo


Drimys brasiliensis Miers e Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) Landrum, apesar de espécies diferentes, possuem o mesmo nome popular, cataia, sendo suas folhas utilizadas para aromatizar cachaça. Portanto o presente trabalho teve como objetivo avaliar o uso das folhas das duas espécies para a produção de aguardente composta por infusão. No primeiro experimento foram utilizadas folhas secas de Pimenta pseudocaryophyllus e folhas secas e verdes de Drimys brasiliensis, sendo que cada amostra foi pesada nas quantidades de um, dois e quatro g l-1 e colocadas em garrafas de vidro preparadas em quatro tempos de infusão de trinta, sessenta, noventa e cento e vinte dias. No segundo experimento foram utilizadas dois g l-1 de folhas secas de Drimys brasiliensis nos mesmos tempos de infusão, as quais foram adicionadas em cachaça não envelhecida com 47,5% e 39,0% de álcool e aguardente de cana não envelhecida com 39,0% de álcool. Para a análise sensorial, uma equipe julgadora definiu as amostras a serem utilizadas, num total de seis por experimento e os testes de preferência foram realizados em escala Hedônica. Conclui-se que a cachaça com quatro g L-1 de folhas de Pimenta pseudocaryophyllus foi a mais aceita pelos consumidores.


Palavras-chave


Análise sensorial. Cachaça. Cataia. Folhas. Infusão.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21674/2448-0479.32.266-285

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.