Desenvolvimento de gelado comestível adicionado de linhaça (Linum usitatissimum L.) e quinoa (Chenopodium quinoa Willd)

  • Catia Cristine Urnau VIVIAN Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Daiane PRECI Instituto Federal Farroupilha-Santo Augusto
  • Gislaine HERMANNS Instituto Federal Farroupilha-Santo Augusto.
  • Fernanda Hart WEBER Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: linhaça, quinoa, avaliação sensorial, fibra alimentar

Resumo

A população está em busca pela melhoria da qualidade de vida, sendo esta realizada através do consumo de novos produtos com características funcionais, que possam ocasionar efeitos benéficos à saúde. Este trabalho teve como objetivo elaborar um gelado comestível adicionado de linhaça e quinoa. Foram desenvolvidas cinco formulações de gelado comestível, sendo uma padrão sem adição de linhaça e quinoa, e nas demais formulações foram utilizadas diferentes concentrações desses ingredientes. A avaliação da aceitabilidade sensorial foi realizada por 100 julgadores não-treinados, estes avaliaram a aceitação global das formulações, utilizando o teste de escala hedônica de nove pontos. A amostra padrão (A) e a amostra B, C e E, tiveram melhor aceitação, diferente da amostra D que diferiu significativamente da amostra A (padrão) nos atributos de sabor, textura, sabor residual e impressão global. Foram realizadas análises físico-químicas e microbiológicas na amostra A e na amostra E devido a mesma apresentar os dois ingredientes funcionais (linhaça e quinoa) e também devido a mesma não se diferenciar da amostra A, apresentando praticamente o mesmo nível de aceitabilidade pelos provadores. As análises microbiológicas de ambas as amostras estão de acordo com os padrões legais vigentes e as análises físico-químicas apresentaram resultados satisfatórios. O gelado comestível da amostra E apresentou 1,1 g de fibra por 100g de amostra, diferente da amostra A que não apresentou concentração de fibra. Esse resultado permite concluir que a amostra E possui ingredientes funcionais no desenvolvimento de produtos com concentração de fibras, sendo um produto diferenciado na alimentação.

Biografia do Autor

Catia Cristine Urnau VIVIAN, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Desenvolvimento de Gelado Comestível com propriedades funcionais.

Referências

ALVES, L. F.; ROCHA, M. S.; GOMES, C. C. F. Avaliação da Qualidade Protéica da Quinua Real (Chenopodium Quinoa Wild) através de Métodos Biológicos. E-scientia, Belo Horizonte. v.1. n.1., nov. 2008.

ANJO, D. L. C. Alimentos funcionais em angiologia e cirurgia vascular. Jornal Vascular Brasileiro, v. 3, n. 2, p. 145- 154, 2004.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA. Informe Técnico N. 50/2012. Aprova “Teor de sódio dos alimentos processados”. 2012. Disponível em: https://goo.gl/QBLFkZ Acesso em: 14 de setembro de 2014.

BOOF, C. C. et al. Desenvolvimento de sorvete de chocolate utili-zando fibra de casca de laranja como substituto de gordura. Revista Ciência Rural, Santa Maria – RS, v.43, n.10, p. 1892-1897, 2013.

BRAGA, E. O.; MENDONÇA, L. G. Discussão do uso racional da ração humana, com enfoque para seus principais constituintes: linhaça e quinoa. Perspectivas da Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1-2, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Legislação Visa Legis. Resolução RDC Nº12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova a “Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos”. Diário Oficial da União, Brasília, 10 de janeiro de 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Legislação Visa Legis. Resolução RDC Nº3, de 15 de janeiro de 2007. Aprova a “Atribuição de Aditivos e seus Limites Máximos para a Categoria de Alimentos 3: Gelados Comestíveis”. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 15 de janeiro de 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Legislação Visa Legis. Resolução RDC Nº266, de 22 de setembro de 2005. Aprova o “Padrão de identidade e qualidade de gelados comestíveis”. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 23 de setembro de 2005.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa Nº62 de 26 de agosto de 2003. Oficializa os “Métodos de Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para controle de Produtos de Origem Animal e Água”. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de setembro de 2003, Seção 1, p. 14.

CHINELATE, G. C. Et al. Aspectos físico-químicos e microbiológico de gelados comestíveis de leite de búfala adicionados de fibras alimentares. Revista Brasileira de Agrotecnologia, V. 1, n. 1, p. 07-12, jun, 2012.

GALVAO, E.L. et al. Avaliação do potencial antioxidante e extração subcritica do óleo de linhaça. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.28, n.3, p. 551-557, jul. 2008.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos Químico e Físico para Análise de Alimentos. 3 ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2004.

MADRID, A. V.; CENZANO, I.; VICENTE, J.M. Manual de indústria dos alimentos. São Paulo: Livraria Varela, 1996, 599 p.

MARSHALL, R. T.; ARBUCKLE, W.S. Ice cream. 5th ed. New York: International Thomson Publ, 1996.

MARQUES, A.C. Propriedades funcionais da Linhaça (Linum usitatissimum L.) em diferentes condições de preparo e de uso em alimentos. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos)- Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2008.

MELLO, E. D.; LUFT, V. C.; MEYER, F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes?. Jornal de Pediatria, v.80 , nº 3, jan. 2004.

MORRIS, D. H. Linaza: Una recopilación sobre sus efectos en la salud y nutrición. 2007. Disponível em: http://www.flaxcouncil.ca/spanish/pdf/FlxPrmr-R11-Intro_Span.pdf. Acesso em: 15 de setembro de 2014.

NASCIMENTO, L. et al. Sorvete Funcional à base de extrato de Hibisco (Hibiscus sabdariffa L.) adicionado do cálice da flor. 2012. Disponível em: https://goo.gl/c3gz8B Acesso em: 08 set. 2014.

NEUTZLING, M.B. et al. Frequência de consumo de dietas ricas em gordura e pobres em fibra entre adolescentes. Revista Saúde Pública, v.41, n.3, p. 336-342, jun. 2007.

NEVEZ, C. V. B.; RIBEIRO, D. M. A importância das fibras dietéticas. Programa de Educação Tutorial, Escola de Nutrição. Universidade Federal de Ouro Preto. Murais, 2003.

RAUD, C. Os alimentos funcionais: a nova fronteira da indústria alimentar análise das estratégias da danone e da nestlé no mercado brasileiro de iogurtes. Revista de Sociologia e Política, v. 16, n° 31, 2008.

SANTOS, B.M. Interferência dos ácidos graxos ômega -3 nos lipídeos sanguíneos de ratos submetidos ao exercício físico (NADO). 2006. Dissertação (Mestrado em Nutrição), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SILVA, L. M. R. Et al. Processamento de bolo com farinha de quinoa (chenopodium quinoa willd): estudo de aceitabilidade. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v. 12, n.2, p. 125-132, 2010.

SILVA, N. Relação entre dieta e saúde: o conceito de alimentos funcionais. Engenharia de Alimentos, RPA Editorial, São Paulo, v. 26, p. 40-42, 1999.

SILVA, J. E., LANNES, S.C.S. Effect of different sweetener blends and fat types on ice cream properties. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20612011000100033>. Acesso em: 17 de novembro de 2014.

SOUZA, P.H.M et al. Componentes Funcionais nos Alimentos. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia em Alimentos, Campinas, v.37, p. 127-135, 2003.

SPEHAR, C.R. Adaptação da Quinoa (Chenopodium quinoa willd.) para incrementar a diversidade agrícola e alimentar no Brasil. Caderno de Ciência & Tecnologia, 23(1), 41-62, 2006.

TRUCOM. C. A importância da Linhaça na Saúde. São Paulo: Alaude, 2006.

Publicado
2017-12-20
Como Citar
VIVIAN, C. C. U., PRECI, D., HERMANNS, G., & WEBER, F. H. (2017). Desenvolvimento de gelado comestível adicionado de linhaça (Linum usitatissimum L.) e quinoa (Chenopodium quinoa Willd). Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 3(3), 508-527. https://doi.org/10.21674/2448-0479.33.508-527
Seção
ARTIGOS INÉDITOS