Miniestaquia de clones de Ilex paraguariensis sob diferentes concentrações de ácido indolbutírico

Palavras-chave: Enraizamento, erva-mate, propagação vegetativa, regulador vegetal.

Resumo

Ilex paraguariensis é uma das espécies arbóreas de maior importância socioeconômica para a região sul do Brasil, apresentando múltiplas potencialidades, sendo utilizada na indústria alimentícia, farmacêutica e cosmética. Entretanto, a propagação seminal da espécie é limitada devido à baixa e desuniforme germinação, além do longo período de estratificação das sementes, necessário para a quebra da dormência embrionária. Em virtude do potencial de uso de técnicas de propagação vegetativa, a miniestaquia coloca-se como uma alternativa para superar tais limitações. Dessa forma, objetivou-se avaliar o efeito de diferentes tratamentos de ácido indolbutírico (AIB) no enraizamento de miniestacas de três clones de erva-mate. As miniestacas foram confeccionadas com 6,0±1,0 cm de comprimento e tratadas com AIB em solução hidroalcóolica por 10 segundos, nas concentrações de 0, 1500 e 3000 mg L-1. Após 60 dias da permanência das miniestacas em casa de vegetação climatizada, foram avaliadas as porcentagens de enraizamento, a formação de calos, a mortalidade, a sobrevivência e a manutenção de folhas, além do número médio de raízes e o comprimento das três maiores raízes por miniestaca. A aplicação de AIB proporciona maior vigor radicial em miniestacas de Ilex paraguariensis, o que se constata pelo maior número e comprimento de raízes obtido, sendo a concentração de 3000 mg L-1 a mais indicada. Da mesma forma, percentuais de enraizamento distintos são observados com relação aos clones, sendo o clone IVAÍ 3 (64,88%) o que apresenta maior potencial de multiplicação vegetativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2023-12-31
Como Citar
Gonçalves PintoT., de Oliveira FragosoR., SerberC. E., & StueppC. A. (2023). Miniestaquia de clones de Ilex paraguariensis sob diferentes concentrações de ácido indolbutírico. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 9(3), 186-194. https://doi.org/10.21674/2448-0479.93.186-194
Seção
ARTIGOS INÉDITOS