Effect of substrate formulations on seedlings of Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntz, a critically endangered species from Southern Brazil

Palavras-chave: Araucária. Agropote®. Sistema conjugado substrato/recipiente de mudas. Índice de qualidade de Dickson. Propagação vegetal

Resumo

Araucaria angustifolia, vulgarmente conhecida como araucária ou pinheiro do Paraná, é uma espécie de planta ameaçada de extinção, nativa do sul do Brasil. O cultivo desta espécie é uma abordagem importante para reduzir o desmatamento assegurando a geração de renda. O presente estudo teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes formulações de substrato no crescimento, qualidade e teores de clorofila de mudas de araucária em um sistema conjugado substrato/recipiente, como uma abordagem para promover a propagação e o cultivo da espécie. As sementes foram semeadas em quatro composições diferentes de substrato: F73 (casca de pínus, fibra de casca de coco, fertilizante de liberação lenta [FLL] e fertilizantes fosfatados), F55 (casca de pínus, fibra de casca de coco [em maior proporção que em F73], FLL e fertilizantes fosfatados), T55 (casca de pínus, turfa nacional, FLL e fertilizantes fosfatados) e CC55 (casca de pínus, turfa de esfagno, palha de arroz, FLL e fertilizantes fosfatados). As mudas foram mantidas em uma área de viveiro em um sistema conjugado substrato/recipiente, com irrigação manual. Após 180 dias da semeadura, as mudas foram avaliadas quanto à altura, diâmetro de coleto, áreas foliares e radiculares, massa seca de brotações e raízes e teores de clorofilas a, b e clorofilas totais. O quociente de robustez e o índice de qualidade de Dickson (IQD) também foram calculados com base nas variáveis ​​biométricas. Os substratos F73 e CC55 promoveram maior crescimento de altura e diâmetro de coleto em comparação com outros substratos. Outras variáveis ​​relacionadas ao crescimento e qualidade das mudas e aos níveis de clorofila não diferiram em função dos substratos. A massa seca de raiz e massa seca total foram correlacionadas positivamente com o IQD. O diâmetro do coleto apresentou alta correlação positiva com a altura, a massa seca da parte aérea e a massa seca total das mudas de A.angustifolia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. J. M. et al. Produção de mudas e crescimento inicial em campo de Enterolobium contortisiliquum produzidas em diferentes recipientes. Floresta, 45, 141–150, 2015.

ALMEIDA, U. O. de et al. Environment and slow-release fertilizer in the production of Euterpe precatoria seedlings. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 48, n. 4, p. 382-389, 2018.

ARNON, D. I. Copper enzymes in isolated chloroplasts. Polyphenoloxidase in Beta vulgaris. Plant physiology, v. 24, n. 1, p. 1, 1949.

BINOTTO, A. F. et al. Correlations between growth variables and the Dickson quality índex in forest seedlings. Cerne, v.16, n.4, p.457-464, 2010.

BOENE, H. C. A. M. et al. Efeitos de diferentes substratos na produção de mudas de Sebastiania commersoniana. Floresta, v. 43, n. 3, p. 407-420, 2013.

BRAGA, M. M. et al. Influência da saturação por bases na qualidade e crescimento de mudas de cedro-australiano (Yoona ciliata M. Roem var. australis). Ciência Florestal, Santa Maria-RS, v. 25, n. 1, 2015.

CAKMAK, I.; YAZICI, A. M. Magnesium: a forgotten element in crop production. Better crops, v. 94, n. 2, p. 23-25, 2010.

CAVALCANTE, A. G., et al. Growth and nutrition of Pitombeira (Tasilia esculenta Radlk) seedlings in different substrates and biofertilizer application. Australian Journal of Crop Science, v. 13, n. 1, p. 105-114, 2019.

CONSTANTINO, V. et al. Initial growth of Araucaria angustifolia rootstock in response to fertilization with nitrogen, phosphorus and potassium. Floresta, v. 49, n. 1, p. 99-108, 2018.

DANNER, M. A. et al. O cultivo da araucária para produção de pinhões como ferramenta para a conservação. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 32, n. 72, p. 441-451, 2012.

DIAS, T. J. et al. Desenvolvimento e qualidade nutricional de mudas de mangabeiras cultivadas em substratos contendo fibra de coco e adubação fosfatada. Revista Brasileira De Fruticultura, v. 31, n. 2, p. 512-523, 2009.

DICKSON, A. et al. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. The Forestry Chronicle, n. 36, n. 1, p. 10-13, 1960.

DONAGEMA, G. K. et al. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos, 2011.

FAVARIN, J. L. et al. Equações para a estimativa do índice de área foliar do cafeeiro. Pesquisa

Agropecuária Brasileira, v.37, n.6, p.769-773, 2002.

FONSECA, É. D. P. et al. Padrão de qualidade de mudas de Trema micrantha (L.) Blume, produzidas sob diferentes períodos de sombreamento. Revista árvore, v.26, n.4. p. 515-523, 2002.

FREITAS, S. J. et al. Substratos e Osmocote® na nutrição e desenvolvimento de mudas micropropagadas de abacaxizeiro cv. vitória. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. spe 1, p. 672-679, 2011.

FRANCO, G. Tabela de composição química dos alimentos. 9 ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

GOMES, J. M. et al. Parâmetros morfológicos na avaliação da qualidade de mudas de Eucalyptus grandis. Revista Árvore, v. 26, n. 6, p.655-664, 2002.

GOMES, D. R. et al. Lodo de esgoto como substrato para produção de mudas de Tectona grandis L. Cerne, v. 19, n.1 123-131, 2013.

GOMES, W. D. A. U et al. Garfagem e diâmetro de porta-enxerto na obtenção de mudas de umbuzeiro do acesso laranja. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 32, n. 3, p. 952-959, 2010.

GORSKI, M. R. et al. Variabilidade espacial da saturação por bases e da saturação por alumínio do solo, numa catena do pampa, cultivada com soja. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 5, p. 3660-3667, 2019.

HUNT, G. A. Effect of styroblock design and cooper treatment on morphology of conifer seedlings. In: Target Seedling Symposium, Meeting Of The Western Forest Nursery Associations, General Technical Report RM-200, 1990, Roseburg. Proceedings... Fort Collins: United States Departament of Agriculture, Forest Service, 1990. p. 218-222.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE AND NATURAL RESOURCES- IUCN. The Iucn Red List Of Threatened Species: Araucaria Angustifolia (Published In 2013). Disponível Em: <Http://Dx.Doi.Org/10.2305/Iucn.Uk.2013-1.Rlts.T32975a2829141.En> Acesso Em: 13 Mai. 2019.

JOSÉ, A. C. et al. Produção de mudas de aroeira Schinus terebinthifolia Radd para recuperação de áreas degradadas pela mineração de bauxita. Cerne, v.11, n.2, p.187-203, 2005.

JOSÉ, A. C. et al. Efeito do volume do tubete, tipo e dosagem de adubo na produção de mudas de aroeira (Schinus terebinthifolia Raddi). Agrarian, v. 2, n. 3, p. 73-86, 2009.

KOCK, Z.; CORRÊA, M. C. Araucária: a floresta do Brasil meridional. Curitiba: Olhar Brasileiro, 2002.

KOZLOWSKI, T. T. Tree Growth. New York: The Ronald Press Company, 1962.

LARCHER, W. Ecofisiologia Vegetal. São Carlos: RiMA Artes e textos, 2000.

LONGHI, S. J. et al. Fatores ecológicos determinantes na ocorrência de Araucaria angustifolia e Podocarpus lambertii, na Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Rural, v. 40, n. 1, p. 57-63, 2010.

MARSCHNER, H. Marschner's mineral nutrition of higher plants. Adelaide: Academic press, 2011.

PARTELLI, F.L. et al. Estimativa da área foliar do cafeeiro conilon a partir do comprimento da folha. Revista Ceres, v.53, n. 306, p.204 210, 2006.

RÉGENT INSTRUMENTS. Win/MacRHIZO pró v. 2002c. Reference. Régent Instruments Inc., Québec, Canada. 2004.

ROSSA, U. B. et al. Fertilizante de liberação lenta no crescimento de mudas de Araucaria angustifolia e Ocotea odorifera. Floresta, v. 41, n. 3, p. 491-500, 2011.

ROSSA, U. B. et al. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de mudas de Eucalyptus grandis. Floresta, v. 45, n. 1, p. 85-96, 2015.

ROSSA, U. B. et al. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de mudas de Schinus terebinthifolius e Sebastiania commersoniana. Floresta, v. 43, n. 1, p. 93-104, 2013.

SCHORN, L. A. et al. Definição de idades ótimas para expedição de mudas de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze (Araucariaceae) em função de sua qualidade e volume de recipientes. Biotemas, v. 32, n. 4, p. 19-27, 2019.

SILVA, F. A. S. E.; AZEVEDO, C. A. V.. The Assistat Software version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal Of Agricultural Research, v. 11, n. 39, p. 3733-3740, 2016.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6.ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

TSAKALDIMI, M. et al. Prediction of planted seedling survival of five Mediterranean species based on initial seedling morphology. New forests, v. 44, n. 3, p. 327-339, 2013.

VIEIRA, C., WEBER O. Saturação por bases no crescimento e na nutrição de mudas de ipê-amarelo. Floresta e Ambiente, v. 24, n. 1, p. 02-10, 2017.

WENDLING, I.; DELGADO, M. E. Produção de Mudas de Araucária em Tubetes. Comunicado Técnico, 201, Embrapa Florestas, Colombo, 2008.

WENDLING, I.; ZANETTE, F. Araucária: particularidades, propagação e manejo de plantios. Brasília: Embrapa, 2017.

Publicado
2020-11-10
Como Citar
Vieira, L. M., Nunes Gomes, E., de Cássia Tomasi , J., Constantino, V., Carlos Vargas Motta, A., & Zanette, F. (2020). Effect of substrate formulations on seedlings of Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntz, a critically endangered species from Southern Brazil. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 6(3), 239-248. https://doi.org/10.21674/2448-0479.63.239-248
Seção
ARTIGOS INÉDITOS