Horta na escola: o ensino de química a partir da produção de adubo orgânico

  • Carine Borchert Rosa Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS) https://orcid.org/0000-0002-2897-5614
  • Daniela Mueller de Lara Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)
  • Erli Schneider Costa Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)
Palavras-chave: Compostagem, elementos químicos, horta na escola.

Resumo

Resumo

O presente artigo relata uma abordagem dos conteúdos de funções inorgânicas, através da produção de adubo orgânico em laboratório, utilizando como matéria-prima os resíduos descartados na escola, que podem atuar como fontes de nutrientes para o tratamento de solos inférteis. Em contrapartida ao modelo tradicional, o ensino de química deve trazer aos estudantes a compreensão dos fenômenos químicos e transformações que os cercam, tornando-os cidadãos capazes de intervir e melhorar o ambiente a sua volta. Este estudo tem como objetivo desenvolver no aluno pró-atividade, competências e habilidades para a pesquisa alinhada à prática escolar, assim como a compreensão de como ocorrem determinados processos químicos na natureza. A proposta de ensino voltada para pesquisa foi aplicada a estudantes da Escola Estadual de Educação Básica Santa Rita, em Nova Santa Rita (Rio Grande do Sul). A primeira etapa abordou aspectos teóricos, pesquisas e determinação de locais estratégicos para execução das atividades práticas. Na segunda, iniciou-se construção de uma horta, da coleta de resíduos e a produção do adubo orgânico; e na terceira, foram realizadas as validações dos resultados obtidos. Observou-se o auxílio mútuo entre os discentes nas atividades experimentais, além do desenvolvimento da capacidade de intervenção, quando necessária, na busca por melhores resultados. Foi possível perceber uma mudança positiva em relação aos resíduos descartados, tais como cascas de batata, banana, ovo e também erva-mate, na escola, onde os estudantes com total autonomia, compartilharam entre si, informações observadas no estudo.

Palavras-chave: Compostagem; elementos químicos; horta na escola.

Abstract

Veggie Garden at school: chemistry teaching from organic fertilizer production

 

This article reports an approach to the contents of inorganic functions, through the production of organic fertilizer in the laboratory, through the use of waste material discarded at school, which can function as sources of macro and micronutrients for enrichment and treatment of infertile soils. In contrast to the traditional model, teaching chemistry should bring the student an understanding of the chemical phenomena and transformations that surround them, making them citizens capable of intervening and improving the environment around them. This study aims to develop in the student proactivity, skills and abilities for research aligned to school practice, as well as the understanding of how certain chemical processes take place in nature. The teaching proposal for research was applied to students at Santa Rita State School of Basic Education in Nova Santa Rita (Rio Grande do Sul). The first stage covered theoretical aspects, research and determination of strategic locations for carrying out practical activities. In the second, the construction of a vegetable garden began, the collection of residues and the production of organic fertilizer, and in the third, the validations of the results obtained were carried out. It was observed the mutual help among the students in experimental activities, in addition to the development of intervention capacity, when necessary, in the search for better results. It was possible to notice a positive change in relation to the discarded garbage, such as banana and potatoes peels, egg shells and also tea herbs, at school, where students with full autonomy shared with each other the observed information in the study.

Keywords: Composting; chemical elements; school garden.

 

Resumen

Huerta en la escuela: la enseñanza de química a partir de la producción de abono orgánico

 

El presente artículo relata un abordaje de los contenidos de funciones inorgánicas, a través de la producción de abono orgánico en laboratorio, utilizando como materia prima los residuos descartados en la escuela, que pueden servir como fuentes de macro y micronutrientes para enriquecimiento y tratamiento de suelos infértiles. En contrapartida al modelo tradicional, la enseñanza de química debe ofrecer a los estudiantes la comprensión de los fenómenos químicos y de las transformaciones que los rodean, convirtiéndolos en ciudadanos capaces de intervenir y mejorar el ambiente alrededor. Este estudio tiene como objetivo desarrollar en el alumno proactividad, competencias y habilidades investigativas alineadas a la práctica escolar, así como la comprensión de como ocurren determinados procesos químicos en la naturaleza. La propuesta de enseñanza destinada a la investigación fue aplicada a estudiantes de la Escola Estadual de Educação Básica Santa Rita, en Nova Santa Rita (Rio Grande do Sul). La primera etapa abordó aspectos teóricos, investigaciones y determinación de locales estratégicos para la realización de las actividades prácticas. En la segunda, se inició la construcción de una huerta, la recolección de residuos y la producción del abono orgánico, y, en la tercera, fueron realizadas las validaciones de los resultados obtenidos. Se observó el auxilio mutuo entre los discentes en las actividades experimentales para las medidas de pH, demostrando preocupación con los resultados obtenidos, además de la capacidad de intervención, cuando necesaria, en la búsqueda de una alteración de los datos obtenidos. Fue posible percibir un cambio positivo con relación a los residuos descartados en la escuela, tales como cáscaras de papa, plátano, huevo y también yerba mate, y los estudiantes, con total autonomía, compartieron informaciones observadas en el estudio.

Palabras clave: Compostaje; elementos químicos; huerta en la escuela. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carine Borchert Rosa, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)

http://lattes.cnpq.br/7673027604263418

Daniela Mueller de Lara, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)

http://lattes.cnpq.br/1557177056454917

Erli Schneider Costa, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)

http://lattes.cnpq.br/7673027604263418

Referências

BRASIL (País). PCN + Ensino Médio: Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Média e Tecnológica - Ministério da Educação e Cultura - MEC/SEMTEC, Brasília, 2002.

COSTA, D. G. S. e AGUIAR, P. A Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), Monográfico 4, 2019, 193-209. doi: 10.17561/reid.m4.13 REID, Monográfico 4, pp. 193-209. 2019.

EVANGELISTA, O. Imagens e reflexões: na formação de professores. 2007. Disponível em: https://sepex.ufsc.br/anais_5/trabalhos155. Acesso em: 13 nov. 2019.

FERNANDES, M. C. de A. A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável. Projeto PCT/BRA/3003 – FAO e FNDE/MEC,Brasília, 2005.. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/home/alimentacao_escolar/encontrosnacionais/10_a_horta_escolar_como_eixo_gerador_de_dinamicas_comunitarias.pdf. Acesso em: 25 mar. 2020.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo Manual de Olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças.UFV, 3ª. ed.,Viçosa, p.421, 2008.

GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. Autores Associados, 3ª. ed. Campinas, São Paulo, 2005.

HEREDIA ZÁRATE, N. A. et al. Produção agroeconômica de três variedades de alface: cultivo com e sem amontoa. Revista Ciência Agronômica, 41(4):646-653, 2010.

LEWIN, A. M. F e LOMÁSCOLO, T. M. M. La metodologia cientifica em la construcción de conocimientos. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v.20, n.2, p.147-154. 1998.

LIMA, C.L.R.; SILVA, A.P.; IMHOFF, S.; LIMA, H.V. & LEÃO, T.P. Heterogeneidade da compactação de um Latossolo Vermelho-Amarelo sob pomar de laranja. R. Bras. Ci. Solo, n.28, p.409-414, 2004.

LIMA, M. R. de. O solo no ensino de ciências no nível fundamental. Revista Ciência e Educação.v.11, n.3, p.383 – 394, 2005.

LLEWELLYN, S.; NORTHCOTT, D. The “singular view” in management case studies qualitative research in organizations and management. AnInternationalJournal, v.2, n.3, p.194-207, 2007.

MALAVOLTA, E. Elementos de nutrição mineral de plantas. Ceres, São Paulo, p.251, 1980.

MONTEIRO NETO, J. L. L. et al. Tipos de coberturas de solo no cultivo de alface (Lactuca sativa L.) sob as condições climáticas de Boa Vista. Boletim do Museu Integrado de Roraima, 8(2):47-52, 2014.

NUNES, Rodrigues; VALLERIA, Anny; MOTTA, Ludymila Brandão; ZANOTTI, Rafael Fonsêca. ISSN 2525-8761.Braz. J. of Develop, Curitiba, v.6, n.5, p.27930-27949.mai. 2020.

SILVA, S. G. As principais dificuldades na aprendizagem de química na visão dos alunos do ensino médio. IX Congic, p.1612-1616, 2013.

TERENCE, A. C. F.; ESCRIVÃO-FILHO, E. Abordagem quantitativa, qualitativa e a utilização da pesquisa-ação nos estudos organizacionais. Anais eletrônicos, In. XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção - ENEGEP, Fortaleza, 2006. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2006_tr540368_8017.pdf.Acesso em: 3 jan. 2019.

VASCONCELOS, S.D. e SOUTO, E. "O livro didático de ciências no ensino fundamental – proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico". Ciência & Educação, v.9, p.93-104, 2003.

VOLKWEISS, S. J. Química da acidez dos solos. In: Anais do II Seminário sobre Corretivos da Acidez do Solo. Santa Maria, RS. Abril de 1989. 224 p.

WEBER, K. C.; ALMEIDA, E. C. S.; FONSECA, M. G.; BRASILINO, M. G. A.; Vivenciando a Prática Docente em Química por meio do PIBID: Introdução de Atividades Experimentais em Escolas Públicas. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, supl.2, v.8, p.539-559, 2012.

Publicado
2022-04-30
Como Citar
Borchert Rosa, C., Mueller de Lara, D., & Schneider Costa, E. (2022). Horta na escola: o ensino de química a partir da produção de adubo orgânico. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 8(1), 13-21. https://doi.org/10.21674/2448-0479.81.13-21
Seção
ARTIGOS INÉDITOS