Descartes de medicamentos: avaliação do conhecimento dos usuários da Farmácia Básica do município de Ibema – PR

Palavras-chave: Resíduos, saúde, contaminação ambiental.

Resumo

As características toxicológicas dos medicamentos determinam um risco potencial à saúde e ao ambiente. O descarte dos resíduos efetuado pelo consumidor final é a maior lacuna na legislação, sendo realizado em locais inapropriados. Avaliar o conhecimento da população, que utiliza a Farmácia Básica do município de Ibema - PR, sobre o descarte de medicamentos e realizar ações de educação ambiental. Usuários da farmácia responderam a um formulário de avaliação do conhecimento sobre descarte de resíduos de medicamentos, aplicado em duas etapas, a primeira antes da educação ambiental. Foi elaborado material educativo, contendo informações sobre o assunto, e implantaram-se locais para coleta desses resíduos. A segunda etapa ocorreu após 60 dias da educação continuada. Antes das ações de orientação sobre o descarte de resíduos, a maioria dos usuários descartava os resíduos de medicamentos no lixo comum. Na segunda etapa da pesquisa, após as orientações, houve diferença significativa, de acordo com o teste Qui-Quadrado, quando se avaliou o conhecimento sobre o descarte de resíduos. O mesmo ocorreu com pacientes que possuíam medicamentos vencidos e estoque desses resíduos em suas residências, levantando um aspecto que deve ser considerado: a automedicação. Nas residências com crianças, esse estoque pode representar risco eminente de intoxicação. A educação ambiental mostrou-se eficaz, pois houve diferença significativa no descarte correto desses resíduos, antes e após as orientações realizadas. Apesar de os usuários da Farmácia Básica possuírem conhecimento sobre o descarte de resíduos químicos, alguns ainda destinam esses produtos incorretamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Sabrina Tres, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

http://lattes.cnpq.br/5708520031470899

Referências

ALMEIDA, I. A. et al. Perfil de medicamentos descartados nas farmácias públicas de um município do leste de Minas Gerais. Arq. ciências saúde UNIPAR . V.26. n.1, p. 23-32, jan-abr. 2022.

BRASIL. Sistema de informações de agravos de notificação, Disponível em: http://tabnet.datasus. gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/Intoxbr.def ,2021. Acesso em: 02set.2022.
BRASIL. Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Portaria n. 344, de 12mai.1998.
BUENO, C.S.; WEBER, D.; OLIVEIRA, K.R Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí –RS. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl, v. 30, n. 2, p. 75-82, 2009.
Ministério do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução n.º 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Brasília, DF, 29 abr. 20. Disponível em: https://www.saude. mg.gov.br/index.php?option=com_ gmg& controlle r=document&id=815-resolucao-conama-n%C2%BA-358-05-de-29-04-2005-sesmg. Acesso em: 16 de set.2022
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO PARANÁ. Descarte de Medicamentos. Edição 004, junho de 2018. Disponível em: https://www.crf-pr.org.br/pagina/visualizar/291. Acesso em: 10 ago. 2022.
COSTA, H. R. D. S. O custo do desperdício de medicamentos em unidades básicas de saúde de Campo Grande/MS,2021.
EICKHOFF, P.; HEINECK, I.; SEIXAS, L.J. Gerenciamento e destinação final de medicamentos: uma discussão sobre o problema. Revista Brasileira de Farmácia, v.90, n.1, p.64-68,2009.
FANHANI, H. R. et al. Avaliação domiciliar da utilização de medicamentos por moradores do Jardim Tarumã, município de Umuarama- PR. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v.10, n.3,2006.
FERREIRA, C.L.; SANTOS, M. A. S.; RODRIGUES, S. C. Análise do conhecimento da população sobre descarte de medicamentos em Belo Horizonte/MG. Interfaces Científicas-Saúde e Ambiente, v. 3, n. 2, p. 9-18, 2015.
FERREIRA, W.A. et al. Avaliação de farmácia caseira no município de Divinópolis (MG) por estudantes do curso de Farmácia da Unifenas. Infarma, Brasília, v.17, n.7-9, p.84-86,2005.
GASPARINI, J.C.; GASPARINI, A.R.; FRIGIERI, M.C. Estudo do descarte de Medicamentos e consciência ambiental no município de Catanduva-SP. Ciência& Tecnologia: FATEC-JB, Jaboticabal, v.2, n. 1, p. 38-51, 2011.
GLASSMEYER, S.T. et al. Disposal practices for unwanted residential medications in the United States. EnvironmentInternational.v35, n.3, p.66-572,2009.
KOLPIN, D.W. et al. Pharmaceuticals, hormones, and other organic wastewater contaminants in US streams, 1999− 2000: A national reconnaissance. Environmental Science & Technology, v. 36, n.6, p.1202-1211, 2002.
MAIA, M.; GIORDANO, F. Estudo da situação atual de conscientização da população de Santos a respeito do descarte de medicamentos. Revista Ceciliana.v.4, n.1, p.24-28, 2012.
MALTA, D.C. et al. Non communicable diseasesand the use of health services: analysis of the National Health Survey in Brazil. Revista de Saúde Pública, v. 51, 2017.
MINISTÉRIO DA SAÚDE (BRASIL). RDC nº 222, de 28 de março de 2018. Dispõe sobre os requisitos de Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde, 28 mar. 2018.
PAIVA, L. V. C. Proposta de melhoria no processo de atendimento em uma farmácia de dispensação de psicotrópicos: uma aplicação do LEAN e ferramenta FMEA. 2021.
PEREIRA, F.V.T. et al. Auto medicação em criança se adolescentes. JPediatr, v.83, n.5, p.453-58,2007.
PINTO, N.B; LUSTOSA, J. P. G.; FERNANDES, A. M. C. O descarte incorreto de fármacos e seus impactos no meio ambiente e na saúde pública. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, Cajazeiras, v. 2, n. 2, p.563-570, 2017.
SHENKEL, E.P.; FERNANDES, L.C.; MENGUE, S.S. Como são armazenados os medicamentos nos domicílios? Acta Farm Bonaerense, v.24, n.2, p.266-70, 2005.
TEIXEIRA, B.; FERREIRA, M. B.; CHAGAS, P M. Informações sobre armazenamento de medicamentos em casa. CEP, v. 95020, p. 472, 2021.
TESSEROLLI, D.A.; NEUBERN F.J.; MACÊDO, J.T.; NAIDE, S.S. Descarte de Medicamentos: A visão da comunidade acadêmica e das farmácias. Rev Ciências do Ambiente.v.9, n.2, 2013.
TONET, G. et al. Medicamentos vencidos ou em desuso e riscos ambientais no município de Terenos, Mato Grosso do Sul. Ensaios e Ciência C Biológicas Agrárias e da Saúde, v. 24, n. 2, p. 170-182, 2020.
UEDA, J. et al. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Rev Ciências do Ambiente. v.5, n.1, 2009.
VASCONCELOS, F.A.; AQUINO, M.D. Descarte de medicamentos e problemas ambientais: o panorama de uma comunidade no município de Fortaleza/CE. Ciência e Natura, v. 38, n. 3, 1590-1600,2016.
VAZ, C.V.; FREITAS, M.M.; CIRQUEIRA, J.Z. Investigação Sobre a Forma de Descarte de Medicamentos Vencidos. Cenarium Pharmacêutico, v.4, n.4,2011.
VETTORAZZI, K.M.; VENAZZI, K.F. Responsabilidade sócio ambiental dos produtores de medicamentos e farmácias sobre os resíduos sólidos de saúde: a logística reversa como possibilidade de coleta e correta destinação. FAE- Centro Universitário, Cascavel-PR, nov.2008.
Publicado
2023-12-31
Como Citar
TresD. S., AgueraR. G., & Aparecida Galerani MossiniS. (2023). Descartes de medicamentos: avaliação do conhecimento dos usuários da Farmácia Básica do município de Ibema – PR. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 9(3), 157-167. https://doi.org/10.21674/2448-0479.93.157-167
Seção
ARTIGOS INÉDITOS