Início de acumulação de amido e produtividade de raízes em cultivares de mandioca

  • Paula de Souza Cardoso Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) https://orcid.org/0000-0002-0406-2909
  • Alencar Junior Zanon Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) https://orcid.org/0000-0002-7194-9833
  • Nereu Augusto Streck Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Charles Patrick de Oliveira de Freitas Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Palavras-chave: Manihot esculenta Crantz, prática de manejo, eficiência no uso de recursos.

Resumo

O início de acumulação de amido (IAA) modifica a relação fonte/dreno na planta de mandioca e, a partir desse estágio, as raízes tuberosas passam a ser o principal órgão de reserva de amido na planta. Neste estudo, os objetivos foram identificar o número de folhas-acumuladas na haste principal no início da acumulação de amido, como também e avaliar a produtividade de massa fresca de raízes em sete cultivares de mandioca. O experimento foi conduzido nos anos agrícolas de 2018/2019 e 2019/2020 em Santa Maria, RS, Brasil, com as cultivares registradas (BRS 396, BRS 399, IAC 576 e Fepagro RS13) e não registradas no registro nacional de cultivares (Aceguá, Frita e Vassourinha). Para avaliar o início do acúmulo de amido (raiz com diâmetro maior que 10 mm), foram realizadas amostragens semanais após as plantas acumularam 15 folhas na haste principal. A produtividade (Mgha-1) foi determinada no oitavo mês após o plantio. O número de folhas variou de 25 a 33 folhas para o IAA nas raízes tuberosas. Conclui-se que o indicador morfológico número de folhas acumuladas pode ser utilizado para identificar a campo o IAA de forma não destrutiva e auxiliar em práticas de manejo na cultura da mandioca. As maiores produtividades foram registradas nas cultivares Fepagro RS13 (50,7 Mgha-1), Vassourinha (53,5 Mgha-1), Frita (50,4 Mg ha-1) e BRS 399 (42,9 Mg ha-1).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Borges JM, Zanon A.J, Silva RM, Balest D, Alves AF, Freitas CPO, Both V, Lima, AT Potencial de produtividade da mandioca em função da época de plantio em ambiente subtropical (2020) Revista de ciências agroveterinárias 19: 263,269. Doi.org/10.1590/1678-4499.0352

EMBRAPA. (2015) Pesquisa desenvolve mandiocas biofortificadas nas cores creme, amarela e rosada. Disponível em: . Acesso em: 22 junho, 2019.

El-Sharkawy, AM, Physiological characteristics of cassava tolerance to prolonged drought in the tropics: Implications for breeding cultivars adapted to seasonally dry and semiarid environments (2007) Plant Physiol, 19: 257-286. Doi.org/10.1007/s12892-016-0004-9

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. (2018). Food Outlook: Biannual Report on Global Food Markets. Roma: FAO. [Accessed May 10 2019]. Available at: https://reliefweb.int/sites/reliefweb.int/files/resources/CA0239EN.pdf.

Hodges TF Predict crop phenology. Boca Raton: CRC, 1991. 233p.

IBGE. Levantamento sistemático da produção agrícola. 2020. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/6588#resultado. Acesso em: 1 de julho de 2020.

Kuinchtner A, Buriol GL (2001) Clima do estado do Rio Grande do Sul segundo a classificação climáticas de köppen e Thornthwaite. Ciências Exatas 2 (1): 171-182. doi.org/10.5902/1980509835337

Matos FS, Felicio R, da Silva L M, Nascente AC de S, Custódio J PC, Guimarães RR, Santos PG de F, da Silveira, PS (2016). Produtividade de cultivares de mandioca sob déficit hídrico. Agri-environmental sciences, 2(1): 15-24. Recuperado de https://revista.unitins.br/index.php/agri-environmental-sciences/article/view/186.

Matthews RB, Hunt LA (1994) GUMCAS: a model describing the growth of cassava (Manihot esculenta L. Crantz). Field Crops Research, Amsterdam, 36: 69-84. Doi.org/10.1016/0378-4290(94)90054-X

Neto AG, Souza JM, Bonomo R, Campanharo A, Nascimento, AL (2020) Crescimento da parte aérea e produção de mandicoca para mesa sob lâminas de irrigação. AGRARIAN, 13 (50): 504-512. Doi.org/10.1590/S1413-70542010000300008

Neto NN, Bonomo R, Souza JM, Nascimento AL, Magalhães AMP (2020) Produtividade e qualidade de mandioca para mesa em diferentes épocas de colheita e lâminas de irrigação. Botucatu 24 (4):704-718. Doi.org/10.15809/irriga.2019v24n4p704-718

Schons A, Streck NA, Kraulich B, Pinheiro DG, Zanon, A J (2007). Emissão de folhas e início de acumulação de amido em raízes de uma variedade de mandioca em função da época de plantio. Ciência Rural 37: 1586-1592. doi.org/10.1590/S0103-84782007000600013

Streck VE, Kãmpf N, Dalmolin RSD, Klamt E, Nascimento PC, Giasson E, Pinto LFS Solos do Rio Grande do Sul (2018) 3° ed.

Tagliapietra BL, Zanon AJ, Silva MN, Alves AF, Freitas CPO, Tironi LF, Jiménez MSE, Cardoso PS, Santos ATL, Tonel G, Rodrigues LB, Richards NSPS, Streck NA (2019). Mandioca para alimentação humana e animal. Santa Maria: Editora Gráfica Palloti: 1-97

Tironi LF, Alves AF, Zanon AJ, Freitas CPO, Santos ATL, Cardoso PS, Tonel GP, Rodrigues LB, Tagliapietra BL, Silva MN,Streck NA. (2019). Ecofisiologia da mandioca visando altas produtividades. Santa Maria: Editora Gráfica Palloti: 1-136.

Wilhelm WW, McMaster GS. Importance of the phyllochron in studying development and growth in grasses (1995) Crop Science, Madison 35(1): 1-3. doi.org/10.2135/cropsci1995.0011183X003500010001x
Publicado
2023-12-31
Como Citar
CardosoP., Junior ZanonA., Augusto StreckN., & de Oliveira de FreitasC. P. (2023). Início de acumulação de amido e produtividade de raízes em cultivares de mandioca . Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 9(3), 178-185. https://doi.org/10.21674/2448-0479.93.178-185
Seção
ARTIGOS INÉDITOS