Gênero e sexualidade na publicidade

movimento analítico com base no modelo tridimensional do discurso em um anúncio de cerveja

Palavras-chave: Gênero e sexualidade - Publicidade. Gênero e sexualidade - Análise Crítica do Discurso (ACD).

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar as representações de gênero e de sexualidade nas publicidades/propagandas veiculadas na televisão aberta brasileira, tomando-se como exemplo o anúncio publicitário da cerveja Nova Skin, que na peça denominada “Festa de São João” reitera o modelo de mulher ideal, bem como dissemina um texto que ridiculariza pessoas transgêneros. Busca-se, ainda, por meio do modelo tridimensional do discurso de Fairclough, utilizar-se da Análise Crítica do Discurso (ACD) para especificar como o discurso aparece enquanto texto, prática discursiva e prática social na reprodução publicitária. O referencial teórico-metodológico é formado pelos conceitos de gênero, sexualidade, publicidade e discurso por meio das teorias de Batista (2002), Butler (2010), Felipe (2006), Fairclough (2016), Freitas (2011) Gauntlett (2008), Leite (2002), Louro (1997) entre outros. O estudo demonstra, assim, a maneira discriminatória pelo qual o gênero e a sexualidade foi veiculada na campanha publicitária de tal marca de cerveja, cujo produto, de acordo com estudos já realizados, é direcionado ao público predominantemente masculino.

Comentários sobre o artigo no youtube da Revista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniella Magnus, Universidade Estadual do Rio Grande do SUL (UERGS)

Discente do Curso de Mestrado Profissional em Educação. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS).

Ana Maria Bueno Accorsi, Universidade Estadual do Rio Grande do SUL (UERGS)

Docente do Curso de Mestrado Profissional em Educação. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS).

Referências

BRASIL. Ministério Público. O Ministério Público e a Igualdade de Direitos para LGBTI:

Conceitos e Legislação. Brasília: MPF, 2017.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão de Identidade. Tradução de Renato

Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2016.

FELIPE, J. Representações de gênero, sexualidade e corpo na mídia. Revista Tecnologia e

Sociedade, v.2, n.3, 2006.

FERREIRA, P. Corpo da mulher ainda é visto como objeto, diz socióloga. Jornal O Globo, [São

Paulo], 2017. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/corpo-da-mulher-ainda-visto-como-objeto-diz-sociologa-21945507 Acesso em: 09 maio 2019.

FRANCO, L. Violência contra a mulher: novos dados mostram que 'não há lugar seguro no Brasil'. BBC News Brasil, 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47365503 Acesso em: 12 jul. 2019.

FREITAS, L. K. M R. Mídia, sexualidade e identidade de gênero: redes de memória e

(re)atualização de dizeres sobre o sexo na revista Men’s Health. Revista Raído, v.5, n.9, 2011.

GAUNTLETT, D. Media, GenderandIdentity: anintroduction. London: Routledge, 2008.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

MENDES, R. B. Diminutivos como marcadores de sexo/gênero. Revista Linguística, v. 8, n. 1, jun. 2012.

KRESS, G. CriticalDiscourseAnalysis. Annual Review of Applied Linguistics, 11. p. 84-99, 1990.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade, educação: uma perspectiva pós estruturalista. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

REIS, T. ABGLT denuncia homofobia em comercial de cerveja ao Conar [entrevista concedida a Revista Fórum]. 2012.

SILVA, C. M.; ARAÚJO, C. B. A mulher nas propagandas de cerveja: uma análise referencial. Revista Arredia, Dourados, MS, v.6, n.10: 58-74, jan./jun. 2017.

SILVA, B.C.S.L.; OLIVEIRA, J. F. Z. C. Ideologia heteronormativa: uma crítica à luz da Teoria Queer. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E SEXUALIDADE, 4., 2016, Espírito Santo. Anais... Espírito Santo: UFES, 2016. 16 p.

Publicado
2020-10-23
Como Citar
Magnus, D., & Bueno Accorsi, A. M. (2020). Gênero e sexualidade na publicidade. Revista Eletrônica Científica Da UERGS , 6(3), 167-175. https://doi.org/10.21674/2448-0479.63.167-175
Seção
ARTIGOS INÉDITOS